Investimento alemão em Portugal em debate na Porto Business School

O tema será abordado já no próximo dia 7 de Junho no fórum “O novo paradigma do investimento Luso-Alemão”. Os investimentos alemães em Portugal ascenderam, em 2018, a 1,88 mil milhões de euros.

Yves Herman/Reuters

As empresas alemãs são directamente responsáveis, em Portugal, por 35 mil empregos e, se considerarados os indirectos, cerca de 50 mil, ao mesmo tempo que agregam 1,88 mil milhões de euros de investimento só em 2018. Estre seá o tema de um debate a realizar no dia 7 de junho, na Porto Business School.

O economista Daniel Riscado apresentará um estudo da Roland Berger acerca dos factores que influenciam o aprofundamento das relações económicas entre Portugal e a Alemanha, explorando o tema do equilíbrio entre o investimento português na Alemanha e o investimento alemão em Portugal.

A evolução da representação sectorial do investimento alemão em Portugal será o tema abordado pelo ex-ministro da Economia Manuel Caldeira Cabral, que versará o novo foco no turismo, inovação e tecnologia.

Pedro Moura (em representação da farmacêutica Merck Portugal), Paulo Guedes (CFO da Critical TechWorks), Jaime Sá (director geral da Simoldes), Eduardo Vítor Rodrigues, presidente da Câmara Municipal de Gaia e da Área Metropolitana do Porto, e Pedro Pinheiro, empresário e professor da Porto Business School, serão outros oradores.

Os painéis focar-se-ão nos temas: “O papel do investimento alemão no desenvolvimento da indústria e da inovação em Portugal” e “Na génese do Portugal 2020 e evolução da tecnologia 5.0: Quais as vantagens competitivas de Portugal para atrair futuros investidores”.

Recomendadas

“Basta de destruir” o Fisco. Trabalhadores dos impostos fazem greve de 1 a 5 de dezembro

Em causa está o descontentamento dos trabalhadores contra a demora na regulamentação na carreira ou a perda de autonomia da Autoridade Tributária e Aduaneira, revela esta quarta-feira o STI.

Rio tem “feeling” na vitória de Moedas e fala de “vigarice” nas sondagens

“Quem vai ganhar? Não sabemos, o meu feeling é que ganha o Carlos Moedas e é isso que temos de continuar a fazer até dia 26 de setembro”, disse Rui Rio.

Bruxelas “acompanha de perto” subida dos preços da energia

“Na situação atual, a Europa precisa de investir em energias renováveis, uma vez que estas oferecem uma alternativa real à nossa dependência de combustíveis fósseis importados”, disse o comissário Kadri Simson.
Comentários