Investimento em capital de risco e ativos sob gestão das sociedades e fundos aumentou mais de 6% em 2019

O setor de capital de risco português era compostos por 52 sociedades e 135 fundos no final do ano passado. IPO não tem sido uma forma preferencial para sair das empresas, mas sim a venda a terceiros, aponta um relatório da CMVM divulgado esta segunda-feira.

Os ativos sob gestão do setor de capital de risco em Portugal aumentaram 6,6% para 5,1 mil milhões de euros em 2019, enquanto o investimento também aumentou (10,5%) relativamente ao ano anterior, de acordo com um relatório da Comissão do Mercado de Valores Mobiliários (CMVM) divulgado esta segunda-feira.

O crescimento no investimento resultou da subida do valor investido em startups na fase de seed capital (+40,2%) e early-stage (+14,4%). No entanto, o montante médio de ativos sob gestão por fundo caiu para 36 milhões de euros, o que corresponde a menos 3,5 milhões de euros comparativamente a 2018.

O setor de capital de risco português, que a 31 de dezembro de 2019 era composto por 52 sociedades e 135 fundos, realizou 1.165 transações  no ano passado – a maioria (64,8%( corresponderam a aquisições no total de 263,2 milhões de euros, enquanto as alienações atingiram 464,1 milhões de euros, traduzindo-se num desinvestimento líquido de 200,9 milhões de euros (184,4 milhões de euros em 2018).

“A relevância das empresas que pretendem reorientar a sua estratégia (turnaround) diminuiu 13,3% para 998,7 milhões de euros no final de 2019, enquanto o apoio à expansão e o capital de substituição aumentaram, respetivamente, 2,9% para 792,1 milhões de euros e 58,6% para 316,2 milhões de euros”, pode ler-se no «Relatório sobre a atividade de capital de risco (2019)».

A CMVM aponta que o IPO (oferta pública inicial) não tem sido uma forma preferencial do capital de risco para sair das empresas, mas sim a venda a terceiros, enquanto a nível europeu as entradas em bolsa representaram 11% do valor do desinvestimento em capital de risco em 2019.

Ademais, o nível agregado de atividade de private equity em Portugal tem sido geralmente baixo quando comparado com a média europeia de angariação de fundos, investimento e desinvestimento.

Em relação à captação de recursos, desde que atingiu quase 3% em 2012, a tendência tem sido de queda. Segundo o relatório, a participação de Portugal foi de apenas 0,1% dos recursos captados na Europa nos últimos cinco anos. “Os investimentos e desinvestimentos também têm sido diminutos, representando menos de 1% dos volumes europeus nos últimos cinco anos, com exceção de 2018 quando o desinvestimento foi de 1,2%”, adianta o mesmo documento.

Segundo o regulador dos mercados, este setor reforçou o investimento em participações sociais, em detrimento do investimento via prestações acessórias e suprimentos, o que se refletiu num reforço das posições acionistas.

Ler mais
Relacionadas

CMVM revela que empresas recorreram mais a capital de risco para a expansão do que para o “turnaround”

“A relevância das empresas que pretendem reorientar a sua estratégia (turnaround) diminuiu 13,3% para 998,7 milhões de euros no final de 2019, enquanto o apoio à expansão e o capital de substituição aumentaram, respetivamente, 2,9% para 792,1 milhões de euros e 58,6% para 316,2 milhões, refere o relatório da CMVM.
Recomendadas

“Sobreviver a Pão e Água”. “Centenas” de membros do movimento dispostos a regressar à greve de fome se Governo não aprovar medidas exigidas

Movimento diz que Governo disse que iria apresentar em breve várias das medidas por si exigidas. Se até dia 11 de dezembro, não apresentar as restantes medidas ameaçam que com o regresso à greve de fome em frente ao Parlamento e por todo o país, com “mais de uma centena de pessoas”.

Sindicato denuncia que Ryanair se prepara para despedir 23 tripulantes no Porto enquanto abre processo de recrutamento

O SNPVAC denuncia que, ao mesmo tempo que a companhia aérea avança para o despedimento coletivo, já está a realizar cursos para novos tripulantes “violando grosseiramente o Código de Trabalho”, segundo o sindicato.

Costa adia anúncio de medidas de apoio para as rendas do comércio e da restauração

A 21 de novembro, o primeiro-ministro anunciou que as medidas de apoio para as rendas de lojas e restaurantes seria anunciada nos dias seguintes. Passados 15 dias, o Governo ainda não anunciou os apoios e adiou para a próxima semana.
Comentários