IP prevê investir mais de 35 milhões de euros em reabilitação e manutenção em 2021

A Infraestruturas de Portugal (IP) disse esta quinta-feira prever um investimento de mais de 35 milhões de euros para a reabilitação e manutenção de estruturas rodoviárias e ferroviárias a seu cargo, durante este ano.

Infraestruturas de Portugal

“Desde 2010, foram investidos cerca de 300 milhões de euros na reabilitação e manutenção das obras de arte [inclui pontes, viadutos, túneis, passagens hidráulicas, entre outras], sendo que, em 2021, a IP prevê investir mais de 35 milhões de euros nesta atividade”, avançou a gestora de infraestruturas ferroviárias e rodoviárias, em comunicado.

A IP salientou que o “relevante investimento efetuado ao longo dos últimos anos, com a realização de inspeções a todas as estruturas e a atempada definição de uma estratégia de intervenções devidamente programadas, contribuíram decisivamente para o incremento do nível de qualidade e conservação das estruturas”.

De acordo com as inspeções levadas a cabo no ano passado, o estado de conservação de 90% das obras de arte a cargo da IP (inclui pontes, viadutos, túneis, passagens hidráulicas, entre outras) varia entre o razoável e o bom.

Segundo a IP, “este indicador tem vindo a verificar uma evolução favorável ao longo dos últimos anos”, sustentada pela implementação do Sistema de Gestão de Obras de Arte (SGOA), que incorpora um conjunto de informação recolhida através das cerca de 4.000 ações inspetivas que a IP faz anualmente.

A gestora de infraestruturas garantiu, ainda, ter planos para todas as obras de arte identificadas com necessidade de intervenção no curto prazo.

A IP tem a seu cargo a gestão de quase 7.800 obras de arte, das quais cerca de 5.800 (75%) pertencem à rede rodoviária e 2.000 (25%) integram a rede ferroviária nacional.

Ler mais
Recomendadas

Apritel afrima que Portugal está “na liderança da descida de preços nos pacotes” de comunicações

A associação aponta que “mais uma vez o preço das comunicações desce mais em Portugal do que na Europa” e que o país está “na liderança da descida de preços nos pacotes de comunicações”, subscritos por 88% das famílias portuguesas.

Portugal respondeu a Bruxelas sobre atraso na adoção de diretiva das telecomunicações dez dias depois do prazo

A Comissão Europeia está agora a avaliar os argumentos apresentados por Portugal para explicar o atraso na adoção da diretiva europeia. Dos 24 Estados-membro alvo de um processo de infração apenas a Dinamarca concluiu a transposição. Há 15 países na mesma situação que Portugal.

Transportes ferroviários e alfândegas são os principais obstáculos ao desenvolvimento do sector logístico em Portugal

“Relativamente à utilização dos diferentes modos de transporte, continua a verificar-se uma forte dependência do transporte rodoviário, com impactos negativos ao nível da sustentabilidade ambiental”, destaca, em exclusivo ao Jornal Económico, Raul de Magalhães, presidente da Aplog, referindo-se a um das conclusões do estudo feito em parceria com a consultora KPMG.
Comentários