Irão capturou mais um petroleiro no Estreito de Ormuz

Negociações entre Teerão e os países que mantém vivo o acordo nuclear continuam em Viena. O regime iraniano quer ver reconhecido seu direito a continuar a vender petróleo.

Raheb Homavand / Reuters

O Irão capturou este fim-de-semana mais um petroleiro estrangeiro (dersta vez com bandeira iraquiana) no Golfo Pérsico sob acusação de contrabando de combustível e prendeu os sete tripulantes da embarcação, segundo informou a agência de notícias estatal iraniana Irna. É o terceiro navio capturado pelas forças navais da Guarda Revolucionária Iraniana em menos de um mês.

Em 14 de julho, o navio-tanque britânico Stena Impero foi capturado e, pouco depois, outro petroleiro – o Riah, com bandeira panamiana mas propriedade de uma empresa britânica – foi controlado antes de ser autorizado a seguir a sua rota.

A última captura de uma embarcação estrangeira, ocorrida na última quarta-feira, seguiu o mesmo padrão das anteriores. As autoridades iranianas dizem que o petroleiro carregava 700 mil litros de combustível transferidos de outros navios em alto mar, para países árabes, segundo o general Ramezan Zirahi, considerado próximo da Guarda Revolucionária. O navio capturado foi conduzido até o porto de Bushehr e a carga foi entregue à Iran Petroleum Products Distribution Company, em conformidade com uma ordem judicial.

A terceira abordagem iraniana de um petroleiro nas águas do golfo ocorreu um mês após a captura do petroleiro Grace 1 pela Marinha britânica nas águas de Gibraltar sob a acusação de violar o embargo da compra de combustível à Síria. Tanto os Estados Unidos como o Reino Unido tentaram envolver outros países europeus, para já sem obterem resultados, na organização de um destacamento militar para o Golfo, no sentido de garantir a navegação através do Estreito de Ormuz.

O vice-ministro dos Negócios Estrangeiros do Irão, Abbas Araghchi, alertou este domingo, em Viena, para que o seu país continuará a reduzindo os seus compromissos se o chamado Plano de Ação Conjunto (JCPOA) assinado por Teerão com as grandes potências em 2015 não for cumprido pela outra parte.

O enviado iraniano reuniu-se mais uma vez na capital austríaca com delegados da União Europeia, França, Reino Unido, Alemanha, China e Rússia, países que mantêm o pacto nuclear após a retirada dos Estados Unidos há um ano. Washington, que busca um acordo nuclear mais restritivo que feche a porta às armas atómicas e aos mísseis balísticos de longo alcance, regressou às sanções económicas contra Teerão. O governo de Berlim, que mantém aberto o caminho para uma solução diplomática, declinou a proposta norte-americano de participar numa missão para proteger os navios no Estreito de Hormuz.

Para o negociador iraniano, a captura do petroleiro do seu país pela Marinha britânica representou uma violação do acordo nuclear. “Os países signatários não devem impedir a exportação de petróleo bruto iraniano”, disse Araghchi, referindo-se à iniciativa de Londres de mobilizar uma missão naval europeia em coordenação com a França e a Alemanha.

Teerão exigiu que o resto dos países que assinam o acordo nuclear reconheçam o seu direito de continuar a vender petróleo, apesar das sanções impostas pela administração do presidente Donald Trump. “Os Estados Unidos estão a violar a resolução do Conselho de Segurança que autoriza as nossas exportações de petróleo depois da assinatura do acordo nuclear”, disse Araghchi.

Ler mais
Recomendadas

Banco central baixa previsão sobre queda da economia brasileira para 5%

As novas estimativas estão em linha com as projeções de agentes do mercado consultados semanalmente pelo Banco Central, que prevê uma retração económica de 5,05% no PIB brasileiro em 2020. O Brasil ainda recupera de uma grave recessão entre os anos de 2015 e 2016, período em que o PIB caiu sete pontos percentuais.

Rússia anuncia que vai cooperar com o Irão

O ministro das Relações Exteriores russo disse que o seu país iniciará imediatamente a cooperação com o Irão assim que o embargo sobre a venda de armas expirar – o que acontecerá em outubro.

Angola: Manuel Vicente denuncia manobra de diversão

O ex-vice-presidente de Angola Manuel Vicente negou ter-se apropriado de 193 milhões de euros da Sonangol, como denunciou o antigo gestor de Isabel dos Santos, e apelida a acusação de “indecorosa manobra de diversão”.
Comentários