Irão organiza conferência multilateral sobre o Afeganistão

Os seus países que fazem fronteira com o país vão estar presentes. Teerão fez saber que tem todo o interesse em resolver o problema do Afeganistão e nenhum interesse em participar em qualquer iniciativa patrocinada pelos Estados Unidos.

O regime do Irão vai organizar um encontro multilateral de países que fazem fronteira com o Afeganistão, disse o Ministério dos Negócios Estrangeiros do país. A cimeira terá lugar a 27 de outubro e segundo o porta-voz do Ministério, Saeed Khatibzadeh, contará com a presença da China, Paquistão, Tadjiquistão, Uzbequistão, Turquemenistão e ainda da Rússia.

Segundo Khatibzadeh, o encontro dará continuidade ao encontro que aqueles países tiveram durante uma reunião virtual realizada no início de setembro. “Os seis países concentrar-se-ão na ajuda à formação de um governo inclusivo no Afeganistão, com a presença de todos os grupos étnicos e no futuro de paz e segurança no Afeganistão”, disse Khatibzadeh, citado por vários jornais.

A posição oficial do Irão sobre o Afeganistão é que tem todo o interesse em apostar na estabilidade do país vizinho do leste, algo que Teerã considera vital para sua segurança nacional. Recorde-se que um dos alvos mais insistentemente atacados no Afeganistão depois da tomada do poder por parte dos talibãs têm sido os grupos xiitas (ligados ao Irão). Os talibãs, sunitas, não parecem ter qualquer problema com os xiitas, mas passa-se exatamente o contrário com o Estado Islâmico – que tem reivindicado os atentados aos xiitas.

Neste contexto, o Irão condenou duramente o ataque armado dos talibãs contra os combatentes que resistiam no vale de Panjshir e reivindica proteção acrescida contra uma série de atentados reivindicados pelo Estado Islâmico na província de Khorasan.

Khatibzadeh disse que o Irão manteve contato com todas as partes envolvidas no Afeganistão, incluindo os talibãs. “O que está claro é que os talibãs têm uma responsabilidade direta na manutenção da paz e a estabilidade e preservar todos os grupos afegãos, incluindo os hazaras e os xiitas”.

O regime iraniano recusou-se a participar em quaisquer negociações patrocinadas ou participadas pelos Estados Unidos, uma vez que que afirma que aquele país tem sido a principal causa de instabilidade e violência no Afeganistão.

 

Recomendadas

Covid-19: Irlanda encerra discotecas e anuncia novas restrições para fazer face à variante Ómicrom

O Governo irlandês anunciou esta sexta-feira novas restrições para conter a disseminação da nova variante Ómicron da covid-19, que incluem o encerramento de discotecas ou o distanciamento social em alguns locais.

Secretas dos Estados Unidos esperam invasão russa da Ucrânia em 2022

As tensões começaram a crescer nas últimas semanas, perante o rumor de um novo ataque contra a Ucrânia pela Rússia, acusada de ter concentrado cerca de 94 mil soldados na fronteira.

Portugal pode esperar “política de continuidade” do novo ministro das Finanças da Alemanha, diz analista germânico

O politólogo Benjamin Höhne acredita que as políticas seguidas pelo futuro ministro das Finanças alemão, o liberal Christian Lindner (na foto), favorecerão a “continuidade”, mais do que mudança, em relação aos países do sul da Europa como Portugal.
Comentários