Irão. Parlamento apoia Guarda revolucionária na captura do navio britânico

Os deputados expressaram este domingo, 22 de julho, o seu apoio à captura do petroleiro “Stena Impero” no estreito de Ormuz.

Raheb Homavand / Reuters

A captura no estreito de Ormuz  pela Guarda Revolucionária do navio com bandeira do Reino Unido está a gerar forte tensão entre os dois países envolvidos – Irão e Reino Unido – e a região do Golfo em geral.

Já este domingo, o Parlamento iraniano respaldou a decisão da Guarda Revolucionária. “Os britânicos cometeram um ato de pirataria e nós respondemos”, declarou o presidente do Parlamento, Ali Lariyaní, na abertura da sessão parlamentar.

Os deputados votaram igualmente uma moção de apoio e agradecimento à ação da Guarda Revolucionária.

O petroleiro e os seus 23 tripulantes encontram-se detidos no porto iraniano de Bandar Abas, enquanto decorre uma investigação pela suposta infração das normas de navegação internacionais.

A tensão entre o Irão e o Reino Unido subiu de tom no início de julho quando a marinha do Reino Unido capturou um petroleiro com bandeira do Panamá usado pelo Irão na costa de Gibraltar. Os Estados Unidos acusaram o navio de transportar petróleo iraniano para a Síria, violando as sanções da União Europeia.

Recomendadas

China suspende viagens organizadas na China e ao exterior devido ao coronavírus

A partir de segunda-feira as agências de viagens chinesas não poderão mais vender reservas de hotel nem viagens em grupo.

Xi Jiping adverte que “situação é grave” e “propagação do coronavírus acelera-se”

O Presidente chinês, Xi Jiping, admitiu hoje que a China enfrenta uma “situação grave” devido à “propagação acelerada” do novo coronavírus, mas assegurou que o país pode “vencer a batalha” contra o vírus.

Luanda Leaks: Ministra das Finanças de Angola diz que é preciso respeitar os órgãos judiciais

A ministra das Finanças de Angola, Vera Daves, afirmou, em Davos, que é necessário “respeitar o trabalho dos órgãos judiciais” nos casos de alegada corrupção em Angola, lamentando que “apenas alguns” sejam mediáticos.
Comentários