Irão. Parlamento apoia Guarda revolucionária na captura do navio britânico

Os deputados expressaram este domingo, 22 de julho, o seu apoio à captura do petroleiro “Stena Impero” no estreito de Ormuz.

Raheb Homavand / Reuters

A captura no estreito de Ormuz  pela Guarda Revolucionária do navio com bandeira do Reino Unido está a gerar forte tensão entre os dois países envolvidos – Irão e Reino Unido – e a região do Golfo em geral.

Já este domingo, o Parlamento iraniano respaldou a decisão da Guarda Revolucionária. “Os britânicos cometeram um ato de pirataria e nós respondemos”, declarou o presidente do Parlamento, Ali Lariyaní, na abertura da sessão parlamentar.

Os deputados votaram igualmente uma moção de apoio e agradecimento à ação da Guarda Revolucionária.

O petroleiro e os seus 23 tripulantes encontram-se detidos no porto iraniano de Bandar Abas, enquanto decorre uma investigação pela suposta infração das normas de navegação internacionais.

A tensão entre o Irão e o Reino Unido subiu de tom no início de julho quando a marinha do Reino Unido capturou um petroleiro com bandeira do Panamá usado pelo Irão na costa de Gibraltar. Os Estados Unidos acusaram o navio de transportar petróleo iraniano para a Síria, violando as sanções da União Europeia.

Recomendadas

Angela Merkel e Boris Johnson consideram prematuro regresso da Rússia ao G7

A chanceler alemã, Angela Merkel, e o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, disseram esta quarta-feira em Berlim ser prematuro considerar o regresso da Rússia ao G7, uma ideia avançada pelo Presidente norte-americano, Donald Trump.

Oposição venezuelana anuncia nova fase de mais pressão contra o regime

O presidente do parlamento venezuelano, Juan Guaidó, disse esta quarta-feira que a oposição tem mantido conversações com o governo dos Estados Unidos e anunciou que chegou o momento de pressionar mais o regime liderado por Nicolás Maduro.

António Guterres participa na cimeira do G7 e intervém sobre biodiversidade e oceanos

O secretário-geral das Nações Unidas vai participar na cimeira do G7, seguindo depois para uma conferência sobre o desenvolvimento africano, no Japão, e ficará três dias na República Democrática do Congo para mobilizar apoio contra a epidemia de Ébola.
Comentários