Isabel dos Santos já investiu 90 milhões de euros em Cabo Verde

A empresária angolana Isabel dos Santos disse esta sexta-feira que já investiu cerca de 100 milhões de dólares (90 milhões de euros) em Cabo Verde desde 2012, defendendo que o país tem condições adequadas para apostar no turismo de saúde.

Toby Melville/Reuters

“Já fizemos investimentos de 100 milhões de dólares, primeiro nas telecomunicações, e depois nas finanças”, disse a empresária durante o painel ‘Economia 3.0 O Futuro de Cabo Verde e o papel de Portugal’, inserido na Conferência organizada pela Lusa sobre a economia do arquipélago, que decorre hoje na Praia.

A empresária angolana elogiou o Governo e as condições criadas para a criação de investimento externo, considerando que sempre houve bom relacionamento entre o Estado e os empresários.

“Sempre tivemos um diálogo aberto e próximo, sentimos que as pessoas estavam a ouvir o que dizíamos, estamos nas telecomunicações, que é um setor em evolução muito rápida, e esta interação constante com as autoridades é fundamental”, disse Isabel dos Santos.

Questionada sobre se a Saúde pode ser um dos fatores distintivos do país, no âmbito da criação de um turismo de saúde, Isabel dos Santos respondeu que “Cabo Verde tem todas as condições para se tornar um hub de turismo de saúde”, elencando depois as vantagens do país.

Neste painel, também o ministro das Finanças destacou as potencialidades do arquipélago, considerando que é preciso fazer mais para captar mais investimento externo que possa desenvolver o arquipélago.

“Queremos ter aqui dezenas, centenas de empresas, temos políticas bem-intencionadas e direcionadas para captar empresas em quantidade crítica para provocar a mudança”, disse Olavo Correia.

Para o Governo, a aplicação de taxas fiscais zero está fora de questão, mas o Executivo assegura que há “taxas reduzidas, incentivos fiscais e parafiscais, mas sobretudo uma grande aposta na qualificação dos recursos humanos, porque o que faz as empresas são as pessoas”.

O presidente da CVTelecom, José Livramento, vincou os bons indicadores de Cabo Verde na utilização de tecnologia, nomeadamente nas ligações móveis de dados, cuja adesão está nos 60% da população, acima da média mundial de 53%, mas destacou que há ainda desafios a ultrapassar.

“No relatório da competitividade do Fórum Económico Mundial, estamos no 132º lugar de um total de 141, e um dos elementos penalizadores é a capacidade de inovação; a informalidade da economia e a pobreza são empecilhos ao desenvolvimento empresarial”, vincou.

Ler mais
Recomendadas

Privatização da Cabo Verde Airlines estará concluída até 31 de dezembro

O documento do Ministério das Finanças cabo-verdiano refere que o processo de venda de 51% das ações da TACV ao parceiro estratégico, Loftleidir Cabo Verde, foi assinado a 1 de março deste ano e que a venda dos restantes 49% dos títulos decorre com “toda a normalidade”.

Regulador cabo-verdiano apresenta normas sobre fundos de investimento e titularização de créditos

O objetivo é que o documento contribua para o desenvolvimento dos “pilares normativos fundamentais” do mercado de valores mobiliários de Cabo Verde.

Navios GSLINES querem chegar de Lisboa à Praia em cinco dias

A antiga Portusline Containers International passará a chamar-se GSLINES após a fusão de companhias de transportes marítimos, disse ao Económico Cabo Verde Pedro Amaral Frazão, administrador do Grupo Sousa.
Comentários