Isabel dos Santos perdeu 100 milhões em 2019 mas continua a ser a mulher mais rica de África

Isabel dos Santos está mais pobre 100 milhões, mas a sua fortuna continua estimada em 2,2 mil milhões de dólares, o que mantém a empresária angolana no topo do ranking de África.

Tiago Petinga/Lusa

Isabel dos Santos continua a ser a mulher mais rica de África, apesar da investigação de que está a ser alvo em Angola e em Portugal e da degradação consequente de uma série de ativos. Mas, segundo o site da revista CEO World, a filha mais velha do ex-presidente angolano José Eduardo dos Santos continua a ter o seu ‘pé de meia’ e ninguém deve ficar excessivamente preocupado com a sua subsistência: a fortuna está avaliada em 2,2 mil milhões de dólares, uma descida de 100 milhões em relação a 2018.

Sublinhe-se que os dados avaliados se referem ao ano económico de 2019, refere a revista: o arresto de bens e contas bancárias em Angola foi decretado no final de dezembro e em Portugal já durante o mês de março – afinal, talvez haja aqui um espaço para a preocupação. O impacto destas medidas na avaliação da fortuna de Isabel dos Santos só se poderá fazer sentir na lista dos mais ricos de África do próximo ano, embora no ranking diário da Forbes, disponível online, a fortuna da empresária angolana está esta quinta-feira, 20 de fevereiro, avaliada em 2 mil milhões de dólares.

A empresária angolana é a 14.ª pessoa mais rica de África, numa lista liderada pelo nigeriano Aliko Dangote, presidente da Dangit Cement, que tem uma fortuna avaliada em 10,1 mil milhões de euros. O empresário nigeriano lidera igualmente a lista dos mais ricos de África da Forbes, um ranking no qual Isabel dos Santos surge na 13.ª posição, com o mesmo valor atribuído à sua fortuna. A diferença entre as duas publicações deve-se à inclusão do empresário Nathan Kiesh, do Eswatini na listagem da CEO World.

O top três é completado pelo egípcio Nassef Onsi Sawiris (oito mil milhões) e pelo nigeriano Mike Adenuga (7,7 mil milhões), num ranking que contempla 25 africanos com fortunas superiores a mil milhões de dólares listados, enquanto a lista da Forbes apresenta apenas 20.

Segundo a CEO World, a África do Sul é a casa de mais multimilionários africanos (8), seguida do Egito (6), Nigéria (4) e Marrocos (2). Algéria, Angola, Eswatini, Tanzânia e Zimbabué têm apenas um representante.

Para além de Isabel dos Santos, nesta lista surge só mais uma mulher, a nigeriana Folorunsho Alakija, vice-presidente da Famfa Oil, que ocupa a última posição, com uma fortuna avaliada em mil milhões de dólares.

Ler mais
Relacionadas

Efacec assegura que “reúne todas as condições” para pagar salários e a fornecedores

Empresa afasta qualquer cenário de incumprimento, após Isabel dos Santos, que detém perto de 70% da Efacec, ter alertado hoje em comunicado de que o congelamento de contas das suas empresas se estende ao bloqueio de ordens de pagamento de salários, impostos a fornecedores e à Segurança Social.

Isabel dos Santos impugna arresto de contas bancárias em Portugal

A empresária diz que não consegue pagar salários, ao fisco, Segurança Social e a fornecedores. Adianta ainda que as empresas nas quais detém participação maioritária têm empréstimos por reembolsar, no valor de 180 milhões de euros, tendo já reembolsado 391 milhões.
Recomendadas

Da violência entre Irlandas à tensão entre Ocidente e Moscovo. Veja “A Arte da Guerra”

Acompanhe o programa “A Arte da Guerra” na plataforma multimédia JE TV, através do site e das redes sociais do Jornal Económico.

Morreu Bernie Madoff, o banqueiro de Wall Street responsável pelo maior esquema em pirâmide da história

O banqueiro que passou de uma figura respeitada em Wall Street e na banca norte-americana a ter de se apresentar em tribunal com colete à prova de bala faleceu esta quarta-feira na prisão, onde cumpria uma sentença de 150 anos.

Putin recebe segunda dose da vacina russa contra a Covid-19

Tal como da primeira vez não existe registo fotográfico do momento, nem foi revelado qual das três vacinas russas foi administrada ao presidente da Rússia.
Comentários