Israel diz que a Síria será o novo Vietname

O ministro da Defesa de Israel, Naftali Bennett, disse que o Irão está interessado em manter a região em conflito permanente, sempre numa lógica de combate ao estado judaico.

O ministro da Defesa de Israel, Naftali Bennett, alertou este fim-de-semana para que a continuada presença do Irão no palco de guerra da Síria tenderá a transformar aquele país num novo Vietname. Bennett disse em conferência realizada em Jerusalém que o que o Irão está a fazer na Síria e no Líbano é o mesmo que sucedeu na década de 60 e 70 do século passado na Ásia – onde os Estados Unidos se atolaram numa guerra que, apesar do seu poder militar, não conseguiram ganhar.

Naftali Bennett disse ainda que esse posicionamento do Irão está a atear fogo em Israel, alegando que forças pró-iranianas estacionadas no Líbano, na Síria e na Faixa de Gaza estão a trabalhar em conluíu contra o seu país. Israel lançará uma forte operação defensiva para responder a qualquer ataque, prometeu.

O Ministro da Defesa de Israel revelou que o seu país enfrentará grandes ameaças no próximo ano e que as Forças Armadas de Israel estão prontas para qualquer operação, seja na Síria, no Líbano ou na Faixa de Gaza.

O momento é particularmente delicado, numa altura em que a imprensa israelita afirma que o presidente do país, Reuven Rivlin, “está 99% persuadido de que o país terá de realizar novas eleições”, na tentativa de encontrar um governo estável.

O péssimo estado das relações entre Israel e o Irão só piorou um pouco mais com a guerra na Síria – num palco onde a posição dos iranianos alinhou com o coletivo internacional contra o Daesh, o que levou à aproximação com os interesses do Ocidente.

E apesar de entretanto os Estados Unidos terem saído do acordo nuclear assinado em 2015, o certo é que o Irão tem na União Europeia o seu mais forte aliado atual – o que implicou que Israel tenha sido ‘atirado’ para segundo plano.

O imbróglio judicial que envolver o primeiro-ministro Benjamin Netahyahu – e que ainda só está no princípio – veio piorar ainda mais os desentendimentos entre Israel e a União Europeia. Para os analistas, a reunião entre Netanyahu e o secretário de Estado da Defesa norte-americano, Mike Pompeo – que acabou por ter lugar em Portugal – não sucedeu em Londres, para onde chegou a estar marcada, exatamente porque a comunidade internacional está desconfortável (é o mínimo que se pode dizer) com o facto de a autoridade judicial israelita ter acusado Netanyahu, com base em provas consideradas irrefutáveis, de vários crimes, entre os quais corrupção.

Ler mais
Recomendadas

Trump gastou mais de 30 mil euros em campanha de desinformação sobre Biden no Facebook

A campanha de Donald Trump está a tentar enganar os cibernautas e fazê-los acreditar que na noite do debate de terça-feira Joe Biden utilizava um auricular. Acusações semelhantes foram feitas a Hillary Clinton e George W. Bush no passado.

Novo estímulo económico dos EUA deverá ser superior a 1,3 biliões de euros

Na proposta mais recente, segundo o chefe de gabinete, existem 20 mil milhões de dólares destinados unicamente para o setor da aviação e para as companhias aéreas, que foram severamente afetadas pelo novo coronavírus.

BCE quer investigações mais rígidas à idoneidade dos diretores de bancos

O BCE não só vai analisar as qualificações, como informações que possam prejudicar a reputação dos candidatos, incluindo condenações criminais anteriores ou processos judiciais ou administrativos em andamento.
Comentários