Israel: partido árabe apoia Benjamin Gantz

Começa a formar-se a possibilidade de um governo que retire Benjamin Netanyahu do poder, com o líder da coligação Azul e Branca em destaque.

Ronen Zvulun /Reuters

“Queremos encontrar uma forma de evitar que [Benjamin] Netanyahu continue a ser primeiro-ministro, e isso é o que a maioria dos eleitores quer”, disse Ayman Odeh, líder da Lista Conjunta, para deixar claro que a coligação de partidos arabes israelitas apoiará um governo liderado por Benjamin Gantz, líder da coligação Azul e Branca.

Os árabes israelitas querem, para confirnmar esse apoio, quie Gantz, ex-chefe do exército israelita, abandone a Lei do Estado Nação – que declara Israel o “Estado do povo judaico” e tem motivado forte oposição não só da parte dos árabes israelitas, como de uma parte substancial da comunidade internacional.

Ayaman Odeh afirmou esta condição num artigo de opinião publicado este domingo no New York Times, mas não é certo que Gantz venha a aceitá-la – apesar de a lei ser uma das que mais profundamente marcou a governação de Netanyahu nos anos mais recentes.

Já Avigdor Lieberman, o antigo aliado de extrema-direita de Netanyahu, fez saber durante a semana, segundo a imprensa israelita, que apoiaria um governo de coligação entre O likud de Netanyahu – mesmo que talvez sem ele – e o partido Azul e Branco de Gantz.

As consultas do presidente Reuven Rivlin vão continuar, na tentativa de encontrar uma solução governativa para o país, depois de as eleições da passada semana não terem sido – tal como aconteceu com as eleições de abril – conclusivas.

Recomendadas

Partido de Evo Morales procura candidatos de consenso às presidenciais na Bolívia

O partido do ex-presidente da Bolívia Evo Morales revelou que irá procurar candidatos de consenso para as próximas eleições presidenciais e irá tomar mais tempo a consultar as bases, depois de uma reunião falhada na escolha de potenciais candidatos.

Ucrânia e FMI chegam a acordo para empréstimo de cinco mil milhões de euros

A diretora-geral do Fundo Monetário Internacional (FMI), Kristalina Georgieva, anunciou que a organização financeira alcançou um acordo com as autoridades da Ucrânia para um empréstimo de cinco mil milhões de euros em três anos.

Diretor de centro social teme agitação em caso de novo referendo no Reino Unido

O diretor de um centro comunitário na cidade inglesa de Hartlepool, uma das mais pobres do Reino Unido e onde quase 70% dos eleitores votaram ‘Brexit’, teme que um segundo referendo provoque agitação civil no país.
Comentários