PremiumIsraelitas já têm planos para mais hotéis em Lisboa

O grupo Fattal vai abrir um hotel de quatro estrelas na baixa de Lisboa em 2022, num investimento de 20 milhões. A companhia detém 200 hotéis e procura mais oportunidades em Lisboa, Porto, Estoril e Algarve.

O grupo israelita Fattal vai investir 20 milhões de euros na criação de uma unidade de quatro estrelas da marca Leonardo Hotels, a inaugurar em 2022 na baixa de Lisboa. “Já temos as licenças, mas a renovação vai levar perto de dois anos. É um edifício muito antigo, precisa de intervenção, o que demora tempo. Deve abrir durante o ano de 2022”, disse ao Jornal Económico o diretor da empresa para Portugal, Shay Raz.

O hotel com 130 quartos vai ficar localizado na Rua dos Fanqueiros, no quarteirão localizado entre a Rua da Vitória, Rua de São Nicolau e a Rua dos Douradores. Questionado sobre se pretende investir mais em Portugal, Shay Raz diz que a companhia está à “procura ativamente em Lisboa, Porto, Estoril, Algarve, mas Lisboa e Porto principalmente”.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Relacionadas

Grupo israelita compra antigo convento na Baixa de Lisboa para criar hotel de quatro estrelas

A unidade vai ostentar a marca Leonardo Royal Hotels e será o primeiro da empresa em Portugal que conta com mais de 200 hotéis em 18 países, incluindo 180 unidades na Europa.
Recomendadas

Covid-19: Carris aumenta oferta nos dias úteis

A Carris – Transportes Públicos de Lisboa vai aumentar a oferta nos dias úteis, a partir de segunda-feira, nas carreiras onde se tem verificado uma maior procura, na sequência da pandemia de covid-19, foi hoje anunciado.

Banco de Portugal salienta que as moratórias públicas ou privadas devem ser tratadas da mesma forma

O Banco de Portugal destaca que a segundo esclareceu a EBA, as moratórias, de iniciativa pública ou privada, devem ser tratadas da mesma forma, desde que tenham um propósito e caraterísticas semelhantes. “A EBA definirá, em breve, quais os critérios a observar para o efeito”, diz a entidade de supervisão.

Oxford Economics estima recessão de 2,2% na zona euro e estagnação mundial

“A pandemia do novo coronavírus vai infligir uma profunda recessão na economia mundial, e em muitas das principais economias, durante a primeira metade deste ano”, lê-se numa nota enviada aos investidores, e a que a Lusa teve acesso, na qual se prevê que a zona euro caia 2,2%, os Estados Unidos 0,2% e a China cresça apenas 1%.
Comentários