Itália: novo governo permite desembarque de imigrantes

O novo governo instalado em Roma rompeu com as medidas rígidas contra a imigração promovidas por Matteo Salvini, antigo vice-primeiro-ministro e ministro do Interior.

O novo governo italiano, considerado de esquerda, autorizou 82 imigrantes a desembarcarem de um navio de resgate de ONGs, marcando um fim, ou pelo menos uma pausa, nas medidas rígidas contra imigração do ex-ministro do Interior Matteo Salvini .

É a primeira vez este ano que Roma permite o desembarque de um navio de resgate de uma ONG. Anteriormente, navios transportando imigrantes haviam sido barrados nos portos italianos e reenviados para as águas internacionais.

O Ocean Viking, de bandeira norueguesa, operado pelas instituições francesas SOS Méditerranée e Médecins Sans Frontières (MSF), pediu às autoridades italianas e malteses, na quarta-feira, um porto seguro para seus passageiros.

A nova coligação governamental, formada pelo Movimento Cinco Estrelas (M5S) e pelo Partido Democrata (PD), de centro-esquerda, concedeu permissão para desembarcarem em Lampedusa, na Sicília, este sábado.

A decisão segue um acordo com a Comissão Europeia, que recebeu um pedido na noite de quarta-feira para coordenar a redistribuição de migrantes a bordo do Ocean Viking entre os Estados membros.

Também foi considerado um plano para que os passageiros fossem redistribuídos entre outros países sem ter que desembarcá-los em Lampedusa. “As autoridades italianas ofereceram ao Ocean Viking um porto seguro para desembarcar”, twittaram as duas instituições. “MSF e SOS Méditerranée estão aliviados”.

O novo governo da Itália, que conquistou um voto de confiança no Senado na terça-feira – o passo final necessário para exercer todos os seus poderes – pretende traçar uma linha sob uma crise provocada por Salvini, o líder de extrema-direita da Liga.

Giuseppe Conte, em segundo mandato como primeiro-ministro, havia prometido rever as políticas anti-imigração do governo anterior, que prevêem o encerramento dos portos às embarcações que transportam imigrantes, a apreensão de barcos das ONGs e multas aos navios que trazem requerentes de asilo para o país sem permissão.

Navios de resgate de ONGs ficaram retidos no mar até 20 dias nos últimos 14 meses, por causa das medidas de Salvini . Houve 25 desentendimentos entre responsáveis das embarcações de resgate e as autoridades italianas desde que Salvini assumiu o cargo de ministro do Interior, em junho de 2018, de acordo com o Instituto de Estudos Políticos Internacionais (ISPI).

Em quase todos os casos, os desentendimentos resultaram na apreensão temporária dos navios e em pesadas multas aos seus capitães. Carola Rackete, a capitã do Sea-Watch 3, foi presa em junho depois de entrar em Lampedusa com 40 imigrantes a bordo e arriscou bater num navio da marinha que tentava impedir a sua entrada no porto.

A Alemanha e a França estão preparadas para receber 25% dos imigrantes a bordo do Ocean Viking. Outros Estados da UE, incluindo a Itália, ficarão com os restantes. Após uma reunião com o presidente do conselho europeu, Donald Tusk, em Bruxelas, na quarta-feira, Conte disse que os Estados da União que se recusam a partilhar o ónus da chegada de imigrantes devem enfrentar sanções financeiras.

Entretanto, Salvini disse no Twitter que “o novo governo abriu novamente os portos marítimos para imigrantes. Os novos ministros devem odiar o nosso país. A Itália voltou a ser o campo de refugiados da Europa”.

Ler mais
Relacionadas

Nova oportunidade para Itália

O erro de Salvini acabou por ter consequências positivas. A curto prazo, é uma situação benéfica e saudável para Itália e para a própria inserção de Itália no projeto europeu.

Novo governo em Itália tranquiliza agências de rating. Para já

Longevidade da coligação entre o Movimento 5 Estrelas e o Partido Democrático gera dúvidas, tal como a sua capacidade de dinamizar o crescimento económico.
Recomendadas

Brexit. Diplomatas europeus apelam para que se chegue a acordo ainda hoje

Em declarações aos jornalistas, três fontes diplomáticas contaram à agência Reuters que é urgente que se chegue a acordo ainda hoje de modo a que o divórcio seja formalizado na Cimeira Europeia, esta semana.

Lula da Silva: “Bolsonaro não está a governar, mas a dar autorização para vender o Brasil”

Em entrevista à RTP a partir da prisão, o antigo presidente brasileiro deixa duras críticas à governação do atual chefe de Estado do Brasil.

Eleições Moçambique: Candidato presidencial do MDM apela à transparência

O candidato presidencial do Movimento Democrático de Moçambique (MDM), terceira força parlamentar, Daviz Simango, exortou hoje os órgãos eleitorais a garantirem eleições transparentes e às Forças de Defesa e Segurança a absterem-se de atos de intimidação ao eleitorado.
Comentários