Jerónimo de Sousa: “Foram muitas as vezes que o PS se encostou à direita para questões fundamentais”

À semelhança do que havia dito na noite eleitoral, o líder comunista considerou que os resultados eleitorais da CDU são um “resultado negativo para o país”.

Jerónimo de Sousa

O secretário-geral do PCP, Jerónimo de Sousa, voltou a reafirmar esta quarta-feira que há quatro anos existiu uma posição conjunta, mas que o cenário atualmente é diferente e que a “estabilidade está nas mãos do próprio PS”.

“Durante estes quatro anos foram muitas as vezes que o PS se encostou à direita para questões fundamentais”, disse Jerónimo de Sousa, em conferência de imprensa, no rescaldo das conclusões do Comité Central que reuniu na terça-feira para analisar os resultados eleitorais.

“O PS conhece as posições e propostas da CDU, nós ainda não conhecemos os conteúdos e perspectivas do PS, não me vou adiantar [antes da reunião desta tarde] sem esse conhecimento prévio aquilo que anima o PS”, acrescentou, questionado sobre o encontro agendado com os socialistas para esta quarta-feira às 16 horas.

“É uma posição justa da nossa parte, se o PS tivesse uma maioria absoluta ficaria de mãos livres para retomar aspetos essenciais das suas opções de política de direita que na última legislatura as circunstâncias obrigaram a conter”, afirmou Jerónimo de Sousa.

“Só quem inventou e fomentou essa ideia de que haveria uma coligação, uma maioria de esquerda, uma maioria parlamentar de esquerda, pode agora vir dizer que deixou de haver uma coisa que nunca existiu”, acrescentou.

“O PCP avançou com a ideia de que o PS podia formar Governo, e assim aconteceu, mas isto era com o objetivo de desbloqueamento do impasse institucional há quatro anos. Hoje temos um quadro diferente, independentemente da relação de forças ser idêntica à de 2015, aqui a diferença substantiva é que nunca houve da nossa parte um compromisso para um acordo, um acordo parlamentar, um acordo de Governo, ou com um Governo de esquerda”, analisou o secretário-geral dos comunistas.

“O PCP sempre afirmou a sua independência, naturalmente deu uma contribuição decisiva nestes quatro anos para avanços importantes na vida dos portugueses, mas esquecer que esta afirmação de independência, esquecer que durante quatro anos foram muitas as vezes em que o PS se encostou claramente à direita em questões fundamentais, então o tal acordo só funcionava para um lado e não para outro? Não foi este Governo do PS que se entendeu com o PSD em relação às PPP, em relação à Uber, em relação ao Banif, em relação à legislação laboral? É uma demonstração clara de que não havia nenhum acordo inter-parlamentar”, criticou Jerónimo de Sousa.

À semelhança do que havia dito na noite eleitoral, o líder comunista considerou que os resultados eleitorais da CDU são um “resultado negativo para o país” e voltou a destacar as reivindicações dos comunistas, entre os quais o aumento do salário mínimo para 850 euros, aumento das pensões e investimento no Serviço Nacional de Saúde.

O PCP perdeu cinco deputados nas eleições legislativas deste ano, conquistando 12 deputados com 6,46% dos votos – abaixo dos 8,27% alcançados em 2015. Os comunistas elegeram quatro deputados em Lisboa, três em Setúbal, dois no Porto e um em Beja, Évora e Santarém.

  • Notícia atualizada às 10h59
Ler mais
Recomendadas

Supremo Tribunal de Justiça da Guiné-Bissau esclarece que ordenou apuramento nacional

Na aclaração, o Supremo Tribunal de Justiça esclarece que o primeiro segmento do acórdão “não pode ser interpretado como se de convite fosse à Comissão Nacional de Eleições por este tribunal, para proceder à junção da ata em falta aos autos do recurso contencioso”, mas “sim cumprir com a disposição imperativa do artigo 95.º da lei eleitoral”.
joão_cotrim_figueiredo_iniciativa_liberal_legislativas

Iniciativa Liberal quer reduzir IVA da alimentação infantil e retirar limitação etária nas deduções do IRS

O partido liderado por João Cotrim Figueiredo, também deputado único desta força política na Assembleia da República, defende que a proposta contribui para “uma maior inclusão de todos os produtos alimentares destinados a crianças” e também elimina a “injustiça de produtos com base em fruta e sem adições terem uma taxa mais elevada do que a própria fruta”.

Presidente da República de Moçambique anuncia novo Governo com 18 ministros

Nas novas caras, Verónica Macamo, que sai da presidência da Assembleia da República, assume o cargo de ministra dos Negócios Estrangeiros e Cooperação, em substituição de José Pacheco – que não surge na lista hoje divulgada.
Comentários