Jerónimo Martins e BCP puxam pela Bolsa de Lisboa

Os analistas referem ainda que a Semapa, que controla a Navigator, encerrou com perdas modestas, no dia em que irá divulgar os seus resultados trimestrais. De acordo com o CaixaBank Equity Research, as vendas deverão ter diminuído 1% para os 555 milhões de euros.

A Bolsa de Lisboa encerrou a sessão desta quinta-feira, dia 13 de fevereiro, com ganhos, afastando-se da queda que marcou o fecho das negociações da maioria das suas congéneres da Europa. O principal índice bolsista nacional fechou com uma subida de 0,32%, para os 5.331,96 pontos, impulsionado pelos ganhos de 1,84% do BCP (para os 0,19 euros) e de 1,03% da Jerónimo Martins (para os 16,66 euros).

No PSI-20, destacaram-se ainda títulos como os da EDP Renováveis (+1,98%, para 12,36 euros), da EDP – Energias de Portugal (+0,22%, para 4,56 euros) ou da Navigator (+0,06%). Por outro lado, em contraciclo, fecharam cotadas como a Sonae (-0,89%), Corticeira Amorim (-1,10%) ou CTT – Correios de Portugal (-0,41%).

Os analistas do CaixaBank/BPI Research referem ainda que a Semapa, que controla a Navigator, encerrou com perdas modestas, no dia em que irá divulgar os seus resultados trimestrais. “De acordo com o CaixaBank Equity Research, as vendas deverão ter diminuído 1% para os 555 milhões de euros, o EBITDA terá caído 13% para os 120 milhões de euros e o resultado líquido terá atingido os 13 milhões de euros, o que representa uma queda de 63% relativamente ao mesmo período do ano anterior”, referem, numa nota de mercado.

As restantes praças do ‘Velho Continente’ terminaram o dia mistas, horas depois de a Comissão Europeia ter informado que manteve a projeção do crescimento da economia portuguesa de 2% para 2019 e de 1,7% para este ano e 2021, tal como no relatório de novembro.

O índice alemão DAX deslizou 0,04%, o britânico FTSE 100 caiu 1,08% – depois de o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, ter anunciado a remodelação do governo, o que motivou a demissão do ministro das Finanças –, o francês CAC 40 recuou 0,19%, o holandês AEX somou os ligeiros 0,02%, o espanhol IBEX 35 perdeu 0,30% e o italiano FTSE MIB ganhou 0,12%. O Euro Stoxx 50 ficou marcado por uma desvalorização de 0,20%.

“No exterior, Rexel e Commerzbank acabaram por ser os grandes destaques pela positiva na reação às contas apresentadas. Numa altura em que cerca de 75% das empresas do S&P 500 já reportaram contas nos Estados Unidos, o facto dos resultados estarem a superar as expectativas (surpresa global de aproximadamente 5%), tal como as receitas, está a justificar os novos máximos atingidos ontem nas bolsas de Nova Iorque”, sublinha Ramiro Loureiro, trader do Millennium bcp.

Em relação aos preços do petróleo, a cotação do barril de Brent está a subir 0,79%, para 56,23 dólares, enquanto a cotação do crude WTI ganha 0,59%, para 51,47 dólares por barril. Quanto ao mercado cambial, o euro deprecia 0,19% face ao dólar (1,0850) e a libra esterlina “valoriza” 0,78% perante a divisa dos Estados Unidos (1,3060).

Ler mais

Recomendadas

Bolsa de Lisboa acompanha Europa em alta. CTT sobem 4%

A Sonae sobe 2,16%, para 0,69 euros, depois de ontem ter anunciado a emissão de um empréstimo obrigacionista, por subscrição particular, de 160 milhões de euros. As principais praças europeias negoceiam igualmente em alta nesta que é a última sessão antes da Páscoa.

Trump anuncia que pico da Covid-19 está próxima e Wall Street anima no fecho da sessão

No fecho da sessão, o S&P 500 sobe 3,28%, para 2,746.63 pontos, o tecnológico Nasdaq valoriza 2,58%, para 2,746.63 pontos, e o industrial Dow Jones cresce 3,39%, para 23,422.66 pontos.

PSI-20 com ligeira subida depois de impasse do Eurogrupo em encontrar resposta para a Covid-19

O PSI-20 manteve-se praticamente inalterado, com uma ligeira subida de 0,05%, em contra-ciclo com a tendência de queda registada entre as principais bolsas europeias. Mota Engil, CTT, Semapa e BCP lideraram os ganhos em Portugal.
Comentários