Jerónimo Martins e BCP puxam pela Bolsa de Lisboa

Os analistas referem ainda que a Semapa, que controla a Navigator, encerrou com perdas modestas, no dia em que irá divulgar os seus resultados trimestrais. De acordo com o CaixaBank Equity Research, as vendas deverão ter diminuído 1% para os 555 milhões de euros.

A Bolsa de Lisboa encerrou a sessão desta quinta-feira, dia 13 de fevereiro, com ganhos, afastando-se da queda que marcou o fecho das negociações da maioria das suas congéneres da Europa. O principal índice bolsista nacional fechou com uma subida de 0,32%, para os 5.331,96 pontos, impulsionado pelos ganhos de 1,84% do BCP (para os 0,19 euros) e de 1,03% da Jerónimo Martins (para os 16,66 euros).

No PSI-20, destacaram-se ainda títulos como os da EDP Renováveis (+1,98%, para 12,36 euros), da EDP – Energias de Portugal (+0,22%, para 4,56 euros) ou da Navigator (+0,06%). Por outro lado, em contraciclo, fecharam cotadas como a Sonae (-0,89%), Corticeira Amorim (-1,10%) ou CTT – Correios de Portugal (-0,41%).

Os analistas do CaixaBank/BPI Research referem ainda que a Semapa, que controla a Navigator, encerrou com perdas modestas, no dia em que irá divulgar os seus resultados trimestrais. “De acordo com o CaixaBank Equity Research, as vendas deverão ter diminuído 1% para os 555 milhões de euros, o EBITDA terá caído 13% para os 120 milhões de euros e o resultado líquido terá atingido os 13 milhões de euros, o que representa uma queda de 63% relativamente ao mesmo período do ano anterior”, referem, numa nota de mercado.

As restantes praças do ‘Velho Continente’ terminaram o dia mistas, horas depois de a Comissão Europeia ter informado que manteve a projeção do crescimento da economia portuguesa de 2% para 2019 e de 1,7% para este ano e 2021, tal como no relatório de novembro.

O índice alemão DAX deslizou 0,04%, o britânico FTSE 100 caiu 1,08% – depois de o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, ter anunciado a remodelação do governo, o que motivou a demissão do ministro das Finanças –, o francês CAC 40 recuou 0,19%, o holandês AEX somou os ligeiros 0,02%, o espanhol IBEX 35 perdeu 0,30% e o italiano FTSE MIB ganhou 0,12%. O Euro Stoxx 50 ficou marcado por uma desvalorização de 0,20%.

“No exterior, Rexel e Commerzbank acabaram por ser os grandes destaques pela positiva na reação às contas apresentadas. Numa altura em que cerca de 75% das empresas do S&P 500 já reportaram contas nos Estados Unidos, o facto dos resultados estarem a superar as expectativas (surpresa global de aproximadamente 5%), tal como as receitas, está a justificar os novos máximos atingidos ontem nas bolsas de Nova Iorque”, sublinha Ramiro Loureiro, trader do Millennium bcp.

Em relação aos preços do petróleo, a cotação do barril de Brent está a subir 0,79%, para 56,23 dólares, enquanto a cotação do crude WTI ganha 0,59%, para 51,47 dólares por barril. Quanto ao mercado cambial, o euro deprecia 0,19% face ao dólar (1,0850) e a libra esterlina “valoriza” 0,78% perante a divisa dos Estados Unidos (1,3060).

Ler mais

Recomendadas

PremiumGoverno trava subida das taxas de supervisão em 2020 proposta pela CMVM

Em ano de prejuízos, a entidade reguladora vê a proposta de um novo modelo de financiamento congelada pelo Ministério das Finanças. São mais dois milhões de euros que ficam por receber.

PSI 20 fecha semana no ‘vermelho’ afetado pelo BCP e Galp

Praça lisboeta terminou a sessão a descer 0,87%, para 4.390,27 pontos nesta sexta-feira, seguindo a tendências das suas congéneres europeias.

Bolsa de Lisboa perde fôlego a meio da sessão e acompanha quedas da Europa

A penalizar a praça lisboeta estão títulos como o BCP, que perde 0,92%, NOS, que desvaloriza 1,64%, ou Mota-Engil, que cai 1,22%. A alemã Wirecard está a subir mais de 3% depois de a ‘Bloomberg’ avançar que Deutsche Bank está interessado na unidade financeira da empresa.
Comentários