PremiumJerónimo Martins inicia ano de desafios com sinais de retoma

A retalhista entrou em 2019 com o pé direito, após um ano de quedas na bolsa. O abrandar da economia e a ameaça da Mercadona são os obstáculos.

Um ano e três dias, foi este o intervalo entre as últimas duas maiores valorizações diárias das ações da Jerónimo Martins (JM). Pelo meio, um período de quedas quase contínuas que levaram o título da retalhista a perder 37,6%.

Na passada terça-feira, dia 15, as ações da empresa dispararam 8,99% para 11,76 euros cada. Na véspera, a JM tinha divulgado as vendas preliminares de 2018, com um crescimento total de 6,5%, para 17.337 milhões de euros, a resultar de ganhos em todas as geografias e modelos de negócio.

“Os investidores recompensaram a JM por ter excedido as expetativas,” explicou Nishant Chou­dhary, da Alphavalue, empresa francesa de equity research. O analista salientou que enquanto a Biedronka, rede da JM que lidera o retalho alimentar na Polónia, aumentou as vendas em 5,6%, em Portugal, o Pingo Doce e o Recheio também demonstraram forte momentum, com subidas de 4,6% e 4%, respetivamente, com todas as operações, incluindo os supermercados Ara na Colômbia e as parafarmácias Hebe na Polónia, a conquistarem ganhos de quota.

A 12 de janeiro de 2018, as ações da JM tinham disparado 4,40%, também impulsionadas pelos números da vendas do ano anterior. O que é que castigou tanto o título entre as duas valorizações? Chou­dhary sublinhou que a causa principal foram os receios sobre a desaceleração do crescimento das vendas like-for-like (ou seja, comparando a mesma base de lojas sem contar as aberturas), na Polónia, provocados pela proibição do comércio aos domingos e que reduziu em 21 o número de dias de vendas no ano.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Relacionadas

Maiores grupos retalhistas mundiais presentes em Portugal são de origem alemã

De acordo com o estudo da consultora Deloitte, ‘Global Powers of Retailing 2019’, divulgado no final da semana passada, o Schwarz Group, que detém o Lidl, está colocado na 5ª posição na tabela dos maiores grupos retalhistas a nível global.

Bolsa de Lisboa fecha acima de 1% depois da Jerónimo Martins disparar 9%

A bolsa de Lisboa fechou a subir 1,05% para 5.003 pontos na sessão desta terça-feira. O PSI 20 foi impulsionado pela Jerónimo Martins que fechou a subir 8,99% para 11,7600 euros. O disparo da Jerónimo Martins teve lugar um dia depois da retalhista anunciar um aumento de 6,5% nas vendas homólogas em 2018 para os […]

Vendas da Jerónimo Martins crescem para 17,3 mil milhões e quase três quartos vêm lá de fora

Em 2018, as receitas conseguidas com os mercados internacionais pesaram cerca de 72% no total da faturação da Jerónimo Martins e totalizaram cerca de 12.500 milhões de euros.
Recomendadas

Makro Portugal apresenta maior evento de ‘Street Food’, em Alfragide

O ‘Street Food by Makro’ vai decorrer no parque de estacionamento da loja da cadeia de distribuição em Alfragide até 18 de outubro e engloba nove ‘food trucks’, com abertura ao público entre as 12 e as 20 horas.

Continente lança cápsulas de café em alumínio para reduzir pegada de carbono

Esta opção é justificada pela melhor conservação de aromas, uma maior cremosidade e uma maior resistência ao calor, não permitindo a transferência de oxigénio e mantendo-se pressurizadas, além de permitirem uma redução significativa da pegada de carbono em relação às cápsulas de plástico.

Grupo espanhol de distribuição Coviran amplia presença em Portugal

Foi inaugurado o 261º supermercado da rede no nosso país, em Queijas, no concelho de Oeiras.
Comentários