Joacine Katar Moreira defende que estado de emergência “não é essencial para medidas mais eficazes”

Enquanto a deputada não inscrita Joacine Katar Moreira defende que é necessário resolver a situação da habitação e aumentar o salário mínimo, a deputada não inscrita Cristina Rodrigues recuperou os dados divulgados na última reunião dos especialistas do Infarmed e que a não renovação é irresponsável”.

joacine_katar_moreira_livre
Mário Cruz/Lusa

É a vez de Joacine Katar Moreira, que começa por afirmar que a medida mais eficaz de combate à pandemia é “o aumento do salário mínimo nacional para os 900 euros” por funcionar como uma “bomba de oxigénio”.

“Não se pode exigir confinamento se a questão da habitação não estiver resolvida quando as pessoas não têm dificuldade em satisfazer necessidade de aquecimento, alimentares”, explica a deputada não inscrita, esta quarta-feira, durante o debate na Assembleia da República sobre a renovação do novo estado de emergência que deverá vigorar a partir desta quinta-feira até 30 de janeiro, frisando que “a pandemia da pobreza agrava a pandemia sanitária”.

A antiga deputada do Livre adianta que não votará a favor da renovação do estado de emergência, argumentando que “não é essencial para a implementação das medidas mais eficazes”, nomeadamente o reforço ao Serviço Nacional de Saúde, saúde mental, contratação de mais médicos e profissionais de saúde, apoio aos trabalhadores da cultura e trabalhadores independentes. Sem deixar de fora o apoio aos lares de idosos, incluindo os ilegais, e o aos imigrantes.

Por sua vez, a deputada não inscrita Cristina Rodrigues admitiu votar a favor da renovação do estado de emergência e recuperou os valores divulgados na terça-feira pelos especialistas durante a reunião do Infarmed. “Os especialistas alertaram para a possibilidade de se atingir 14 mil casos por dia e que demorará três semanas para baixar para os sete mil e mais três [semanas] para os 3.500. O número de óbitos poderá chegar aos 150”, disse a deputada na última intervenção antes do Governo.

“Não votar contra a renovação do estado de emergência é uma irresponsabilidade”, considerou Cristina Rodrigues. “Todos estamos cansados das medidas restritivas mas não existe alternativa. Precisamos de aliviar a pressão do SNS”, apontou a deputada não inscrita.

Para Cristina Rodrigues, a situação atual “demonstra a necessidade de ter um SNS forte, de investir na contratação de profissionais, de melhorias de infraestruturas e de meios de diagnóstico”, sustentando que o departamento de saúde mental também necessita de intervenção urgente após o fim da pandemia.

Ler mais
Recomendadas

Presidência portuguesa da UE discute emprego e formação no turismo

Trata-se de um fórum internacional que será realizado, na próxima quinta-feira, dia 21 de janeiro, em formato virtual, sob a coordenação do Ministério da Economia e da Transição Digital.

Serviço de saúde britânico vive momento mais frágil desde que foi criado

“Os factos são muito claros e não vou adocicá-los. Os hospitais e os profissionais de saúde estão sob extrema pressão”, admitiu o diretor-executivo do NHS, Stevens, notando que a situação de saúde atual no Reino Unido não é favorável.

União Europeia quer 70% da população vacinada até ao verão e criar certificados de vacinação

Bruxelas está a elaborar um conjunto de recomendações aos Estados-membros. Comissão Europeia garante que irá fechar um protocolo para certificados de vacinações “que podem ser reconhecidos e utilizados” em toda a UE, para substituir quarentenas e os requisitos de teste.
Comentários