Joacine Katar Moreira responde a petição: “Isto sempre foi uma guerra para pessoas como eu”

A deputada portuguesa afrodescendente está a ser alvo de uma petição pública para impedir a sua tomada de posse. “Daqui a nada a gaguez deixa de ser o elemento central e começará a tentativa de esvaziamento intelectual”, reage a deputada do Livre.

“Isto sempre foi uma guerra para pessoas como eu”, responde Joacine Katar Moreira, no Twitter, a uma petição pública que tem como objetivo impedir que a deputada portuguesa eleita pelo Livre tome posse no Parlamento.

“Daqui a nada a gaguez deixa de ser o elemento central e começará a tentativa de esvaziamento intelectual e depois será a procura de falhas e contradições e depois e depois e depois numa valsa sem fim”, ‘twitou’ a deputada e ativista negra. “Faz parte, embora não devesse”, remata.

A plataforma “Petição Pública” registou uma petição contra a deputada afrodescendente do Livre Joacine Katar Moreira, no qual é exigido que a nova parlamentar não tome posse no Parlamento. O pedido, destinado à Assembleia da Republica, tem registadas 9.149 assinaturas.

Em causa está a celebração que decorreu na sede do partido, este domingo, em que foram avistadas bandeiras da Guiné-Bissau depois de ter sido anunciado que o Livre tinha eleito um deputado nesta nova legislatura: a cabeça-de-lista do Livre, por Lisboa, que nasceu na Guiné-Bissau há 37 anos e veio para Portugal com oito anos.

A deputada portuguesa afirmou na noite eleitoral que “não há lugar para extrema-direita no parlamento”, salientando que o seu partido será “a esquerda anti-fascista e anti-racista”.

“Não há lugar para extrema-direita no parlamento português”, gritou Joacine Katar Moreira no púlpito montado na Fábrica Braço de Prata, em Lisboa, após confirmar que tinha garantido a eleição.

Na descrição da petição lê-se: “A Constituição Portuguesa, no Art. 11º, 1ª alínea diz o seguinte: A Bandeira Nacional, símbolo da soberania da República, da independência, unidade e integridade de Portugal, é a adoptada pela República instaurada pela Revolução de 5 de Outubro de 1910, desta forma não se percebe porque a recente eleita Sr.ª Deputada Joacine Katar Moreira, de forma directa, deixou que nos festejos da sua eleição fosse exibida a bandeira da Guiné-Bissau”.

Na mesma rede social, já são várias as reações que criticam os criadores desta petição pública.

Ler mais
Recomendadas

Chega acusa IGAI de alimentar “cultura de ódio, desrespeito e violência” contra agentes da autoridade

Requerimento de André Ventura para que a inspetora-geral Anabela Cabral Ferreira explique aos deputados o Plano de Prevenção de Manifestações de Discriminação nas Forças e Serviços de Segurança alega que monitorização das redes sociais dos polícias demonstra “prepotência a autoritarismo”.

Tribunal de Contas dá luz verde às contas da Presidência da República, deixa dois elogios e faz três recomendações

TdC elogia o empenho do Palácio de Belém na “prestação atempada das contas relativas ao ano económico de 2019, não obstante as exigências decorrentes da situação pandémica Covid-19”, mas deixa três recomendações para este ano.

Presidente da Iniciativa Liberal diz que “poderes políticos puseram conscientemente em causa a vida das pessoas por motivos ideológicos”

João Cotrim Figueiredo disse que “não houve ninguém do PS para a esquerda que tivesse a hombridade” de reconhecer que a contratação de consultas de especialidade e de cirurgias aos hospitais privados era uma forma de evitar uma segunda crise de saúde pública “escondida por debaixo da Covid-19”.
Comentários