João Duque: “Acabar com o regime fiscal da Madeira é absolutamente errado”

Na conferência “Do CINM à autonomia fiscal: Madeira, uma região regulada de fiscalidade atrativa”, o economista João Duque defendeu a importância da atractividade fiscal especialmente para atividades de bens não tangíveis.

Cristina Bernardo

O economista João Duque defendeu que o regime fiscal especial da Madeira é um importante mecanismo para regiões periféricas e ultra-periféricas, especialmente na atração de empresas de activos intangíveis.

Na conferência “Do CINM à autonomia fiscal: Madeira, uma região regulada de fiscalidade atrativa”, organizada em Lisboa esta segunda-feira pelo Económico Madeira e o Jornal Económico, com o apoio da Abreu Advogados e com o alto patrocínio do Governo Regional, questionado sobre a questão das tributações privilegiadas, João Duque disse que “se faz sentido promover o desenvolvimento económico das regiões periféricas e ultra-periféricas, já é justificação suficiente para manter este tipo de regimes”.

“Criar vários incentivos que estimulem vários tipos de participações faz sentido”, realçou o antigo presidente do ISEG.

Apesar de reconhecer que a atractividade fiscal pode não ser o único factor que faz despoletar o interesse das empresas, já que em atividades “de natureza mais industrial se privilegia outros aspectos, e o aspecto fiscal apesar de ser relevante não é exclusivo”, também considerou que “nos investimentos não tangíveis isso já é diferente e a fiscalidade ganha uma dimensão extraordinária”.

“Acho que é possível fazer um apelo para essa discriminação, que tem sido sujeito a regras”, acrescentou sobre o regime fiscal madeirense. “Este é um instrumento usado e que deve ser usado, acabar com ele é absolutamente errado, ou acabar com ele quando todas as entidades que o acompanham ha tantas décadas acham aceitável”, concluiu.

Relacionadas

“Centro Internacional de Negócios da Madeira tem crescido apesar do clima de desconfiança”, diz Ricardo Vieira

O sócio da Abreu Advogados destacou o “esforço notável” do Governo Regional para o reequilíbrio financeiro e teceu críticas à acessibilidade da zona.

Aeronaves e guardas armados nos navios: o plano do Governo da Madeira para dinamizar o centro de negócios

CINM registou 2.238 licenças ativas em 2018, uma redução substancial face às mais de 5.000 que registava no início do século, fruto das limitações nos benefícios e isenções fiscais que foram sendo impostas à região ao longo dos anos.
Recomendadas

Oito candidatos para liderar fundo soberano da Noruega

O fundo soberano da Noruega gere ativos no valor de 1,1 triliões de dólares.

Tripulante português infetado com coronavírus já está no hospital de Okazaki

O português Adriano Maranhão infetado com o coronavírus Covid-19, já chegou ao hospital da cidade de Okazaki, Japão, depois de uma viagem de autocarro de sete horas, disse à agência Lusa a sua mulher.

Angola deverá endividar-se em 7,6 mil milhões de dólares este ano, diz Standard & Poor’s

A agência de ‘rating’ Standard & Poor’s (S&P) avisa que Angola deverá emitir em 2020 dívida comercial no valor de 7,6 mil milhões de dólares, descendo face aos 8,4 mil milhões emitidos em 2019.
Comentários