João Duque: “Acabar com o regime fiscal da Madeira é absolutamente errado”

Na conferência “Do CINM à autonomia fiscal: Madeira, uma região regulada de fiscalidade atrativa”, o economista João Duque defendeu a importância da atractividade fiscal especialmente para atividades de bens não tangíveis.

Cristina Bernardo

O economista João Duque defendeu que o regime fiscal especial da Madeira é um importante mecanismo para regiões periféricas e ultra-periféricas, especialmente na atração de empresas de activos intangíveis.

Na conferência “Do CINM à autonomia fiscal: Madeira, uma região regulada de fiscalidade atrativa”, organizada em Lisboa esta segunda-feira pelo Económico Madeira e o Jornal Económico, com o apoio da Abreu Advogados e com o alto patrocínio do Governo Regional, questionado sobre a questão das tributações privilegiadas, João Duque disse que “se faz sentido promover o desenvolvimento económico das regiões periféricas e ultra-periféricas, já é justificação suficiente para manter este tipo de regimes”.

“Criar vários incentivos que estimulem vários tipos de participações faz sentido”, realçou o antigo presidente do ISEG.

Apesar de reconhecer que a atractividade fiscal pode não ser o único factor que faz despoletar o interesse das empresas, já que em atividades “de natureza mais industrial se privilegia outros aspectos, e o aspecto fiscal apesar de ser relevante não é exclusivo”, também considerou que “nos investimentos não tangíveis isso já é diferente e a fiscalidade ganha uma dimensão extraordinária”.

“Acho que é possível fazer um apelo para essa discriminação, que tem sido sujeito a regras”, acrescentou sobre o regime fiscal madeirense. “Este é um instrumento usado e que deve ser usado, acabar com ele é absolutamente errado, ou acabar com ele quando todas as entidades que o acompanham ha tantas décadas acham aceitável”, concluiu.

Relacionadas

“Centro Internacional de Negócios da Madeira tem crescido apesar do clima de desconfiança”, diz Ricardo Vieira

O sócio da Abreu Advogados destacou o “esforço notável” do Governo Regional para o reequilíbrio financeiro e teceu críticas à acessibilidade da zona.

Aeronaves e guardas armados nos navios: o plano do Governo da Madeira para dinamizar o centro de negócios

CINM registou 2.238 licenças ativas em 2018, uma redução substancial face às mais de 5.000 que registava no início do século, fruto das limitações nos benefícios e isenções fiscais que foram sendo impostas à região ao longo dos anos.
Recomendadas

Wall Street fecha sem direção definida

A guerra comercial entre os Estados Unidos e a China continua a fazer estragos nos mercados mobiliários. O dia foi pautado por notícias contraditórias sobre a matéria.

Gás natural garante qualidade do ar, sustentam estudos espanhóis

Para a preparação do relatório geral, que engloba os 30 estudos diferentes, foram utilizadas metodologias que comprovaram as medições relativamente às emissões atmosféricas de diferentes tipos de veículos

António Costa reconhece negociações difíceis para novo Quadro Comunitário de Apoio

O primeiro-ministro alerta que está em curso na União Europeia a criação de um instrumento de orçamento para a convergência e competitividade que deverá ter um bolo de cerca de 22 mil milhões de euros, a que Portugal tem condições especiais para se candidatar.
Comentários