João Proença: “A ADSE tem problemas seríssimos devido a falta de pessoas”

Presidente do Conselho Geral e de Supervisão culpa Governo e Conselho Diretivo da ADSE por uma “paralisia inaceitável” provocada com “vetos de gaveta” por parte do Ministério das Finanças.

Mário Cruz/Lusa

O presidente do Conselho Geral e de Supervisão da ADSE, João Proença, disse nesta segunda-feira, na conferência “Uma ADSE com futuro”, que está a fazer na SEDES, que a escassez de quadros do instituto público está a causar “problemas seríssimos” que incluem “atrasos brutais nos reembolsos” e falta de auditorias aos prestadores de serviços de saúde.

No final da sua intervenção, o antigo secretario-geral da UGT salientou que o bom funcionamento da ADSE está a ser condicionado por “um direito de veto de gaveta por parte das Finanças e não sei se por parte da Saúde”. João Proença disse mesmo que “no atual quadro de gestão há uma paralisia inaceitável”.

Referindo que a falta de trabalhadores ocorre “por culpa do Governo e do Conselho Diretivo da ADSE”, João Proença realçou que esta conta atualmente com menos trabalhadores do que tinha no final do ano passado.

Recomendadas

PremiumRicardo Baptista Leite: “Não mantemos a economia a funcionar por decreto”

Deputado social-democrata ficou surpreendido com a exoneração de Jamila Madeira, mas diz estar mais focado no combate à pandemia. E defende mecanismos financeiros para incentivar isolamento voluntário de infetados e suspeitos de terem Covid-19.

“É um marco na confiança no futuro”. António Costa enaltece recorde de 51 mil novos alunos no ensino superior

São 50.964 os alunos que garantiram entrada nas universidades e politécnicos portugueses, segundo os resultados da primeira fase do Concurso Nacional de Acesso, divulgados este domingo. De acordo com o chefe do Governo, Portugal deve “continuar a aumentar e diversificar as formações superiores, de jovens e adultos”.

OE2021: Negociações já têm avanços concretos como novo apoio social – Governo

Segundo o secretário de Estado dos Assuntos Parlamentares, isto revela da parte do Governo “uma enorme disponibilidade para negociar” com os partidos à esquerda do PS, com os quais se tem reunido, para, “em torno destas propostas e de outras, concretizar um entendimento para o Orçamento do Estado” para 2021.
Comentários