João Proença: “A ADSE tem problemas seríssimos devido a falta de pessoas”

Presidente do Conselho Geral e de Supervisão culpa Governo e Conselho Diretivo da ADSE por uma “paralisia inaceitável” provocada com “vetos de gaveta” por parte do Ministério das Finanças.

Mário Cruz/Lusa

O presidente do Conselho Geral e de Supervisão da ADSE, João Proença, disse nesta segunda-feira, na conferência “Uma ADSE com futuro”, que está a fazer na SEDES, que a escassez de quadros do instituto público está a causar “problemas seríssimos” que incluem “atrasos brutais nos reembolsos” e falta de auditorias aos prestadores de serviços de saúde.

No final da sua intervenção, o antigo secretario-geral da UGT salientou que o bom funcionamento da ADSE está a ser condicionado por “um direito de veto de gaveta por parte das Finanças e não sei se por parte da Saúde”. João Proença disse mesmo que “no atual quadro de gestão há uma paralisia inaceitável”.

Referindo que a falta de trabalhadores ocorre “por culpa do Governo e do Conselho Diretivo da ADSE”, João Proença realçou que esta conta atualmente com menos trabalhadores do que tinha no final do ano passado.

Recomendadas

Autarcas de Tondela acusados de peculato e falsificação de documento

O presidente da Câmara de Tondela, José António Jesus, e o seu vice-presidente, Pedro Adão, do PSD, foram acusados pelo Ministério Público de crimes que terão ocorrido entre 2010 a 2017.
marcelo_rebelo_sousa_legislativas

Marcelo Rebelo de Sousa adverte que quem quer a regionalização não deve precipitar-se

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, advertiu esta quinta-feira que quem quer a regionalização do país não deve precipitar-se, considerando que “é preciso não cometer erros de percurso”.

António Costa e Netanyahu analisam formas de cooperação na investigação científica

Os primeiros-ministros de Portugal, António Costa, e de Israel, Benjamin Netanyahu, analisaram esta quinta-feira formas de cooperação na investigação científica, designadamente em projetos para o aproveitamento da água, disse à agência Lusa fonte oficial do executivo português.
Comentários