Joaquim Miranda Sarmento: “Expetativa do PSD só pode ser ganhar”

Mandatário do PSD afirma que o atraso na média das sondagens não é tão significativo, mas admite que existe. Ganhar é o único bom resultado, diz.

As sondagens colocam o PSD pouco acima dos 20%, a uma distância grande do PS. Rui Rio tem desvalorizado as sondagens, mas há uma clara tendência. Como é que o partido vai reagir? Qual seria um bom resultado?
Um bom resultado seria ganhar. Há dois partidos que governam, coligados ou não. A expetativa do PSD só pode ser ganhar, e que Rio Rio seja primeiro-ministro. Tudo o que não seja ganhar, nem Rio Rio ser primeiro-ministro, não é um bom resultado no sentido em que não é aquilo que se esperava.

As sondagens valem o que valem. Sei que é um cliché, mas a verdade é que os partidos do centro-direita – PSD e CDS – tradicionalmente têm resultados nas sondagens inferiores àquilo que é o resultado final. Falta um mês.

Mas é uma distância grande…
Depende. Na última sondagem que saiu, a distância era grande. Mas se olharmos para a média, não é tão significativa. Mas existe. Nesse ponto de vista temos um mês para convencer os eleitores de que o nosso programa e a nossa mensagem são melhores. Temos que tentar recuperar essa distância. O partido, tanto quanto entendo, está unido e motivado a fazer uma campanha eleitoral e procurar o melhor resultado possível.

Artigo publicado na edição semanal de 6 de setembro, de 2019, do Jornal Económico. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor.

Recomendadas

Reforma do sistema eleitoral impediria desperdício de um milhão de votos nas legislativas

Nuno Garoupa defende que elevado número de votos que não elegeram deputados deve impulsionar a criação de círculo nacional de compensação. Aplicação aos resultados das últimas legislativas beneficiaria todos os partidos tirando o PS e o PSD. E poderia trazer mais três forças políticas à Assembleia da República.

Bagão Félix: “Ministros foram escolhidos por inércia, por amizade ou numa lógica partidária”

Em declarações ao Jornal Económico, antigo ministro das Finanças Bagão Félix mostra-se surpreendido com algumas alterações na estrutura do novo Governo.

PremiumPara onde foram os nossos votos?

A maioria absoluta obtida pelo PSD e pelo CDS em 2011 é um marco importante para se compreender o que se viria a passar em termos de transferências de voto nas legislativas seguintes e, mais tarde, em 2019.
Comentários