“Jogo Económico”. “Quebra de 595 milhões no desporto? Surpresa é que os números não sejam piores”

A crise pandémica tirou 595 milhões de euros e 16 mil postos de trabalho ao desporto português em 2020. No programa da plataforma multimédia JE TV debatemos uma das principais conclusões do estudo do Comité Olímpico de Portugal, Comité Paralímpico de Portugal e Confederação do Desporto de Portugal em parceria com a consultora PwC.

Na última edição do programa “Jogo Económico”, da plataforma JE TV, debatemos o impacto da Covid no desporto em Portugal com a ajuda de João Paulo Almeida, diretor-geral do Comité Olímpico de Portugal.

O desporto português registou uma quebra de 595 milhões de euros do Valor Acrescentado Bruto (VAB) em 2020 devido à pandemia de Covid-19. Esta é uma das principais conclusões do estudo do Comité Olímpico de Portugal, Comité Paralímpico de Portugal e Confederação do Desporto de Portugal em parceria com a consultora PwC.

Este valor equivale a uma descida de 12% face ao ano anterior e ainda uma perda de 16 mil postos de trabalho, considerando os impactos totais (diretos, indiretos e induzidos).

 

Relacionadas

Benfica SAD: vantagens e desvantagens da venda de 25% do capital. Veja o “Jogo Económico

Que vantagens e desvantagens existem na venda de 25% do capital da Benfica SAD? Este é o tema principal da edição desta semana do programa “Jogo Económico”, programa da plataforma multimédia JE TV.
Recomendadas

Dakar 2022 arranca em janeiro na Arábia Saudita com mais participantes, mas menos investimento

O preço da inscrição varia entre os 15.700 euros (moto ou quadriciclo) e os 39.400 euros (camiões). A corrida movimenta entre três a quatro mil pessoas entre staff e participantes.

Estes são os clubes mais valiosos no mundo fora das ‘Big Five’. E há três portugueses nesta lista

Saiba quais são os 10 clubes com os plantéis mais valiosos do mundo fora das ‘Big Five’.

CEO da RealFevr: “Mercado dos ativos digitais irá multiplicar-se por 30, 40 ou 50 vezes nos próximos anos”

Fred Antunes, CEO da startup portuguesa RealFevr, destaca em entrevista ao JE a enorme oportunidade que este mercado representa: “aquilo que estamos a viver hoje foi o mesmo que experienciámos em 1997, 1998 e 1999 com o surgimento da Internet”.
Comentários