John Hume, vencedor do Prémio Nobel da Paz, morre aos 83 anos

O político norte-irlandês, um dos grandes responsáveis pelo Acordo de Belfast e fundador do SDLP, é lembrado por vários quadrantes como um herói nacional

O vencedor do Prémio Nobel da Paz em 1998 e político norte-irlandês John Hume morreu esta segunda-feira aos 83 anos, fez saber a família em comunicado. Hume sofria de demência há alguns anos e morreu de madrugada, no lar de idosos onde vivia há alguns anos, em Derry/Londonderry, Irlanda do Norte.

Hume foi um dos fundadores do Partido Social-Democrata Trabalhista (SDLP) da Irlanda do Norte, órgão que viria a liderar de 1979 a 2001. É-lhe atribuída grande relevância nas conversações de paz entre os governos irlandês e britânico, que viriam a culminar no Acordo de Belfast, ou “Good Friday Agreement”, um ponto final no conflito entre nacionalistas e unionistas.

O Prémio Nobel da Paz foi-lhe atribuído em conjunto com David Trimble, o então líder do Partido Trabalhista do Ulster, pelos esforços na obtenção do Acordo de Belfast. Trimble já reagiu à morte de Hume, dizendo à BBC que o seu “grande contributo à política na Irlanda do Norte (…) será lembrado por muito tempo”.

Também o SDLP já manifestou o pesar pela morte de um dos seus fundadores e líderes, lembrando que os irlandeses vivem agora “na Irlanda que ele imaginou, em paz e liberdade para decidir o próprio destino”.

Outras figuras como a PM norte-irlandesa ou o seu congénere da República da Irlanda recordaram e elogiaram o político e a sua obra, apelidando-o de “um gigante no nacionalismo irlandês” e um “herói e verdadeiro pacifista”.

Recomendadas

Goldman Sachs deve cortar 1% dos postos de trabalho

Com a crise pandémica, a situação dos bancos deteriorou-se e a necessidade de revitalizar ou assegurar equilíbrio tem levado, muitas vezes, a despedimentos nestas instituições.

EUA: adiamento da votação do Congresso dá esperança à aprovação de novo pacote de estímulos

Depois de meses de impasse, a Câmara dos Representantes, de maioria democrata, decidiu não votar um pacote que estava condenado ao fracasso quando subisse ao Senado, de maioria republicana. O adiamento é visto como um sinal de avanços nas negociações entre Nancy Pelosi e Steve Mnuchin, ou seja, entre os democratas do Congresso e a Casa Branca.

3.800 euros: Genebra vai pagar o salário mínimo mais elevado do mundo

Os 500 mil eleitores da cidade suíça aprovaram o salário mínimo proposto pelos sindicatos locais e partidos de esquerda, depois de já terem sido rejeitados duas vezes em 2011 e 2014. Medida entra em vigor a partir de 17 de outubro.
Comentários