Jorge de Brito Pereira, Mário Leite e Paula Oliveira renunciam aos cargos na NOS

Os três administradores não executivos da NOS envolvidos no Luanda Leaks foram chamados esta quarta-feira pelo Comité de Ética e pela Comissão de Governo Societário da empresa de telecomunicações. Demitiram-se esta quinta-feira dos cargos que ocupavam na empresa.

Toby Melville/Reuters

Os administradores não executivos da NOS, Jorge de Brito Pereira, Mário Leite e Paula Oliveira, renunciaram esta quinta-feira aos cargos que ocupavam na NOS, de acordo com informação comunicada pela operadora de telecomunicações ao regulador.

“Nos termos e para os efeitos do artigo 248.º A do Código de Valores Mobiliários e do artigo Senhores Dr. Jorge de Brito Pereira, Dr. Mário Filipe Moreira Leite da Silva e Dra. Paula Cristina Neves Oliveira apresentaram hoje, ao Conselho Fiscal, as respetivas renúncias aos cargos de membros não executivos do Conselho de Administração desta sociedade”, pode ler-se no comunicado.

Os três administradores não executivos da NOS envolvidos no Luanda Leaks foram chamados esta quarta-feira pelo Comité de Ética e pela Comissão de Governo Societário da empresa de telecomunicações, avança o Jornal de Negócios.

Jorge Brito Pereira, presidente do conselho de administração e advogado de Isabel dos Santos, Paula Oliveira e Mário Leite da Silva. Os três vão ser ouvidos na próxima segunda-feira, 27 de janeiro.

A decisão foi tomada na reunião do conselho de administração que teve lugar na terça-feira ao final do dia, convocada com o propósito de debater as implicações do Luanda Leaks para a companhia de telecomunicações.

Isabel dos Santos está presente na NOS através da ZOPT que detém 52,15% da empresa de telecomunicações. A ZOPT é uma sociedade detida pela Sonaecom, do grupo Sonae, e pela Kento Holding Limited, controlada pela empresária angolana.

Analisando as implicações do Luanda Leaks para a NOS, os analistas do Caixabank/BPI apontam que a Sonae pode vir a repensar a sua parceria com Isabel dos Santos na companhia de telecomunicações.

“Não excluímos o cenário em que a Sonae repensa a sua parceria com Isabel dos Santos na ZOPT, o que pode levar a algumas alterações na governação da empresa”, segundo a nota do Caixabank/BPI publicada na terça-feira.

No entanto, os analistas destacam que a equipa de gestão da NOS foi recentemente eleita. “Não antecipamos nenhuma grande mudança que podia interromper as operações das empresas”, afirmam, na nota a que o Jornal Económico teve acesso.

O Caixabank/BPI aponta que as preocupações da Sonae devem-se a “questões reputacionais e a possíveis sentimentos negativos por parte dos investidores em relação à NOS devido às notícias recentes” sobre o Luanda Leaks.

Depois das revelações sobre os negócios e operações da empresária, a Sonae veio a público na segunda-feira dizer que “está a acompanhar a situação com atenção e preocupação, sobretudo dadas as alusões feitas a vários membros não executivos do Conselho de Administração da sua participada NOS”.

“Os órgãos competentes da sociedade estão a avaliar a situação de forma rigorosa e com sentido de urgência. A NOS sempre se pautou por regras de governo societário exigentes, que vêm sendo estritamente cumpridas e continuarão a sê-lo”, segundo o comunicado.

A investigação levada a cabo pelo International Consortium of Investigative Journalists (ICIJ) que contou com a participação de 36 meios de comunicação social de 20 países expôs os negócios realizados pela empresária Isabel dos Santos.

Fruto desta colaboração, o caso Luanda Leaks fez várias revelações a partir de 715 mil documentos que foram obtidos inicialmente pela Plataforma para Proteger Denunciantes em África (PPLAAF, na sigla original) que os partilhou com o ICIJ. Em Portugal, o consórcio ICIJ é integrado pelo jornal Expresso e a televisão SIC.

Ler mais
Relacionadas

Angola pede ajuda a Portugal para notificar Isabel dos Santos e outros envolvidos como arguidos

O procurador-geral da República de Angola pediu hoje à sua homóloga portuguesa cooperação judicial no inquérito crime que investiga operações financeiras realizadas por Isabel dos Santos como transferências da Sonangol para o Dubai. Pitta Grós pediu a Lucília Gago apoio para que empresária angolana, e outros colaboradores portugueses, sejam notificados na condição de arguidos. Caso não compareçam voluntariamente nos tribunais angolanos serão emitidos mandados de captura.

Comité de ética da NOS chama administradores visados no Luanda Leaks

Jorge Brito Pereira, presidente do conselho de administração e advogado de Isabel dos Santos, Paula Oliveira e Mário Leite da Silva vão ser ouvidos a 27 de janeiro, avança o Jornal de Negócios.
Recomendadas

‘Luanda Leaks’. CMVM fez seis comunicações à PJ e não descarta possibilidade de mais

“Estamos a fechar estes trabalhos com nove auditores analisados, em 27 entidades auditoras analisadas”, explicou Gabriela Figueiredo Dias aos jornalistas. “Foram enviados 12 processos para apreciação contraordenacional, relativamente a um auditor e há mais dois que estão em análise relativemente a outros auditores”

Sindika Dokolo, um homem entre Kinshasa e o Porto

Nasceu no Congo, viveu a juventude na Europa e casou em Angola. Pela mão de Isabel dos Santos, a sua mulher, acabaria por reconhecer em Portugal, mais propriamente no Porto, o lugar certo para fazer descansar de tantas viagens a sua enorme coleção de arte.

Morreu Sindika Dokolo, marido da empresária Isabel dos Santos

O empresário congolês encontrava-se no Dubai, onde Isabel dos Santos havia postado uma fotografia na sua conta pessoal de Instagram na tarde desta quinta-feira.
Comentários