Jorge Spencer Lima: “Não podemos falar de indústria sem haver protecção das empresas nacionais”

Em entrevista ao “Económico Cabo Verde”, Jorge Spencer Lima garante que “a proposta foi da CCISS e foi feita no quadro de uma política proteccionista que Cabo Verde deve ter no sector industrial.

Ler mais

O presidente da Câmara de Comércio, Indústria e Serviços de Sotavento (CCISS) considera “descabidas e sem razão de ser” as suspeitas sobre o vice-primeiro ministro e ministro das Finanças, Olavo Correia, que está sob investigação do Ministério Público por suposto tráfico de influência no agravamento das taxas alfandegárias nos lacticínios e sumos de fruta de modo a proteger os interesses da Tecnicil, empresa de que é accionista. Em entrevista ao “Económico Cabo Verde”, Jorge Spencer Lima garante que “a proposta foi da CCISS e foi feita no quadro de uma política proteccionista que Cabo Verde deve ter no sector industrial”.

 

A reforma da política industrial tem sido uma das bandeiras da CCISS. Porquê a indústria e não o turismo?

O turismo é um sector que se tem desenvolvido naturalmente. Todas as baterias em Cabo Verde estão viradas para o turismo. Não é por acaso que o turismo representa quase 25/26% do PIB [produto interno bruto]. Estamos na época de ouro do turismo em Cabo Verde, o que acontece mais por razões externas do que por algum incentivo ou política interna.

Isso levanta outra questão: Cabo Verde não pode viver eternamente com base na monocultura do turismo. É bom, sim, mas se acontece algo que nós não controlamos, o turismo desaparece. Veja-se o que aconteceu na Turquia, Egipto e toda a África do Norte.

O turismo é um sector que devemos acarinhar, mas não podemos apostar todas as nossas energias neste sector, não podemos colocar todos os ovos no mesmo cesto. Para já, o turismo está a desenvolver-se por si só, pelo que devemos acarinhar a indústria, um sector com muito menos representatividade no PIB, creio que 10%. Queremos uma indústria nacional pujante para consolidar e contrapor a forte presença do turismo na economia nacional e assim deixarmos de depender da monocultura do turismo.

 

Nesse caso, defende um sector industrial como alternativa ao turismo ou como o motor de toda a economia cabo-verdiana?

A Economia não se faz com base em alternativa, mas em sectores complementares. Por exemplo, nós vemos que o turismo funciona bem, mas praticamente só funciona com produtos importados. Se o turismo consome 10% dos produtos cabo-verdianos é muito. Isso acontece, por um lado, devido às políticas dos hotéis, mas por outro lado é a nossa capacidade produtiva que é muito limitada. Temos problemas de competitividade, de qualidade e também de certificação de produtos. Portanto, o turismo tem o seu papel fundamental, mas os seus tentáculos não estão a estender-se para toda a economia e a ter todo o seu efeito positivo. Por isso, o único sector capaz de garantir alguma pujança à economia cabo-verdiana é a indústria, a partir de uma política virada para a produtividade nacional.

 

É esse reforço da produção nacional e de uma nova politica para a indústria cabo-verdiana que o levou a apoiar o agravamento, através do Orçamento de Estado para 2018, das taxas alfandegárias para lacticínios e sumos e que está a causar polémica em Cabo Verde por supostamente beneficiar somente a Tecnicil?

A CCISS elaborou, no ano passado, um estudo sobre a nova política industrial em Cabo Verde que foi submetido ao Governo. Várias propostas desse estudo já foram acolhidas pelo Governo e constam do OE2018. Nós não podemos ter a pretensão, no mundo competitivo de hoje, de querer desenvolver uma economia nacional sem o mínimo de protecção. Primeiro: todas as indústrias que exportam para Cabo Verde são centenárias, com anos no mercado nos seus respectivos países. Mas quando arrancaram tiveram protecção dos seus países para se consolidarem e poderem produzir. Aliás, ainda beneficiam dessa protecção e chegam em Cabo Verde para competir com os cabo-verdianos, que têm uma pequena produção. Se não tivermos cautela para proteger os nossos produtos não sairemos da cepa torta onde nós estamos. Não iremos consolidar a economia nacional e nunca iremos ter país.

O que está a acontecer é o seguinte: vivemos há 40 anos de ajudas externas. Todos os governos de Cabo Verde souberam fazer uma boa gestão das ajudas externas que nos trouxe um patamar de desenvolvimento aceitável, e que sobretudo fez com que as nossas reservas externas sejam aceitáveis, pois temos quatro meses de exportação. Mas a gestão das ajudas externas acabou porque já não há ajuda externa, desde a ascensão de Cabo Verde a País de Rendimento Médio. Nós temos uma dívida externa muito elevada (mais de 120% do PIB), que são de empréstimos concessionais que nós tomamos a juros muito baixos. Isso acabou também. Portanto, se não há dinheiro das ajudas externas e as remessas dos emigrantes estagnaram, temos de procurar dinheiro nalgum sítio e é na produção nacional.

 

O alegado proteccionismo à Tecnicil reflecte esta ideia?

Essa confusão é descabida. Todo o mundo está a falar de preços, de protecção… Todo o mundo está concentrado na Tecnicil, isso não é um problema da Tecnicil, mas sim da industrialização do país.

 

Existem outras áreas do sector industrial que foram abrangidas por esse estudo e adoptadas pelo Governo segundo a vossa proposta?

Sim, claro. Nós fizemos um estudo sobre o desenvolvimento industrial em Cabo Verde e a indústria abrange tudo, transportes, comércio… O que falamos é de incentivos para o aparecimento de novas indústrias em Cabo Verde com capacidade competitiva e com capacidade exportadora. O sistema não tem escrito Tecnicil. Por exemplo, qualquer empresa nacional que queira produzir leites ou sumos terá os mesmos benefícios que a Tecnicil tem agora, pois não há exclusividade do mercado. Acontece que a Tecnicil já estava preparada para isso. Para já, é um investimento que não cai do céu assim de um dia para outro. A Tecnicil teve que ir buscar dinheiro, investir em know how, tecnologia, para chegar onde está. Mas o importante para a Tecnicil é agora que precisa dessa protecção e não quando não tinha produto.

A Tecnicil fez essa proposta à CCISS e nós analisamos e absorvemos o que valia a pena. Aliás, a proposta da Tecnicil era maior, mais extensiva, e continha partes com as quais não concordámos e não demos cobertura.

 

O quê, concretamente?

Era uma parte relativa ao IVA, que fosse considerado custo e não dedutível nesses produtos. Não achamos bem, não concordamos e não levamos essa parte na proposta que a CCISS levou ao Governo.

 

Essa proposta da Tecnicil veio antes ou depois do estudo sobre o desenvolvimento industrial?

Depois do estudo. Até porque, quando levámos a proposta o estudo já estava no Governo há muito tempo. E é preciso ter em conta que é a Organização Mundial do Comércio, de que Cabo Verde é membro, que define as regras sobre taxas. Foi a OMC que definiu quais eram os nossos limites máximos e nós não passamos nenhum ponto.

 

Se essa nova politica industrial que defende pegar, Cabo Verde pode voltar a falar na exportação para o mercado da CEDEAO?

É isso que devemos falar. Quando damos protecção à indústria estamos a dizer aos investidores externos que venham investir em Cabo Verde tendo em vista o mercado da CEDEAO. De que vale sermos membros da CEDEAO se não exportamos um parafuso para esse grande mercado? A CEDEAO é uma comunidade basicamente de circulação de pessoas e bens. Nós estamos a pegar apenas a parte negativa, que é a circulação de pessoas. Bens, nada.

 

Por que pouco se fala em Cabo Verde na reexportação, tendo o país uma posição geográfica excelente para isso?

A Cabo Verde Trading é que tem a responsabilidade primária sobre as exportações, e está neste momento a fazer todo o rearranjo nos mecanismos legais sobre as políticas de exportação e reexportação. Mas a reexportação tem de acompanhar o esforço de produção. Se não produzirmos nada e apanharmos de um lado e levar para outro não temos nada no fim.

 

Voltando ao caso Tecnicil. Com a Procuradoria-Geral da República a confirmar que está a investigar um alegado conflito de interesses entre o vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças e os incentivos do Governo a uma empresa (Tecnicil) de que é accionista, o ambiente económico cabo-verdiano poderá ficar afectado?

Eu acho que não. A PGR que faça o seu trabalho, inclusive já nos pediu os documentos que nós submetemos ao Governo e já enviei. Estou pronto e à espera que a Procuradoria me ouça. Porque essa suspeita sobre o vice-primeiro-ministro não tem razão de ser. Temos que saber entender o momento político: o PAICV está a fazer o seu trabalho, lançando suspeitas. O MpD passou 15 anos lançando suspeitas sobre o Governo do PAICV. Ainda hoje o MpD, mesmo no Governo, continua a lançar suspeitas sobre o pessoal do PAICV.

O senhor vice-primeiro ministro não nasceu no dia em que o MpD ganhou o Governo. É um cabo-verdiano como outro qualquer e tem todo o direito de participar, de investir. Até prova em contrário, o vice-primeiro-ministro é um homem honesto, é um dos melhores ministros das Finanças que este país já teve, para não dizer o melhor. Está a trabalhar para ajudar os cabo-verdianos e as empresas cabo-verdianas a desenvolverem-se. É bom que a PGR o investigar para clarificar as coisas de uma vez por todas. Estou pronto para ir testemunhar. Assumo que a proposta foi da CCISS e foi feito no quadro de uma política proteccionista que nós achamos que Cabo Verde deve ter no domínio do desenvolvimento industrial. Mais: a proposta que mandamos ao Governo, o Governo mandou ao Parlamento, que a aprovou com larga maioria.

 

A proposta surgiu agora com o Governo do MpD ou já existia no tempo do PAICV?

Surgiu com o actual Governo. Aliás, a questão da indústria está sobre a mesa com este Governo. O estudo foi feito com este Governo, e financiado uma parte pelo Ministério das Finanças e outra parte pelas próprias empresas e pela CCISS. E sim o tema desenvolvimento industrial surge agora porque o fim das ajudas externas coincidiu com o fim do anterior Governo.

Relacionadas

PAICV pede demissão do vice-primeiro-ministro e ministro das Finanças

Olavo Correia, detém 10% das acções da Tecnicil, empresa de que foi administrador. Em causa está o facto de, coincidido com o aumento dos direitos de importação dos laticínios, ter surgido no mercado cabo-verdiano uma nova marca de leite e sumos produzida pela Tecnicil Indústria.

Paulo Câmara: privatizações em Cabo Verde deveriam ser aproveitadas para dinamizar a bolsa

O advogado Paulo Câmara, managing partner da Sérvulo, esteve na cidade da Praia para participar num seminário do Banco de Cabo Verde sobre a Reforma do Sistema Financeiro. Em entrevista ao Económico Cabo Verde, faz um balanço das reformas em curso no sistema financeiro do país.

Nova presidente da AJEC propõe profissionalizar associações empresariais

“O sector privado e a economia cabo-verdiana pedem acção corajosa e rápida”, defende Elisabeth Gonçalves, eleita esta segunda-feira, 26, presidente da Associação dos Jovens Empresários de Cabo Verde (AJEC), organização criada em 2009 e que trabalha em rede com mais de 133 países e congrega 170 membros de diversas ilhas.

Transporte marítimo de passageiros em queda em Cabo Verde

O tráfego de navios nos portos de Cabo Verde no quarto trimestre de 2017 caiu mais de 25% face ao mesmo período de 2016. Os dados dão do Instituto Nacional de Estatísticas e mostram, por outro lado, que o movimento de passageiros nos aeroportos cresceu 14%.

Ministro de Cabo Verde é acionista de grupo empresarial que é acusado de favorecer

O ministro das Finanças e vice-primeiro-ministro de Cabo Verde, Olavo Correia, tem uma participação de 10% num grupo empresarial em que foi administrador e que está a ser acusado de favorecer através do aumento de taxas alfandegárias.
Recomendadas

Cabo Verde: preços dos produtos importados aumentaram 2,0% em agosto

Relativamente ao mês de agosto de 2017, o índice de preço da importação aumentou 10,9% face ao mês de Agosto de 2017, os índices, subjacente e volátil na importação, verificaram em Agosto de 2018, acréscimos de 13.1% e de 5,4%, respetivamente.

PremiumMark Clattenburg: “É difícil introduzir o vídeo-árbitro nas competições da UEFA”

Dirigiu a final do Europeu de 2016 entre França e Portugal e atualmente é o responsável pela arbitragem na Arábia Saudita, onde a introdução do vídeo-árbitro “foi o melhor que podia ter acontecido”.

Transporte aéreo: AAC publica tabela com novas tarifas máximas inter-ilhas e reduz preços

Os preços dos bilhetes para as ligações aéreas inter-ilhas em Cabo Verde aumentaram, depois da atribuição do monopólio dos voos domésticos à Binter, segundo a da Agência de Aviação Civil (AAC)
Comentários