PremiumJosé Maria Neves tenta vitória nas presidenciais de Cabo Verde sem precisar de segunda volta

As eleições presidenciais em Cabo Verde realizam-se no próximo domingo, 17 de outubro, e sem contar com Jorge Carlos Fonseca, que termina o segundo e último mandato como Presidente da República. Num período de mudança, portanto, as sondagens indicam invariavelmente a vitória de José Maria Neves (primeiro-ministro de 2001 a 2016) com uma margem confortável sobre Carlos Veiga (primeiro-ministro de 1991 a 2001).

As eleições presidenciais em Cabo Verde realizam-se no próximo domingo, 17 de outubro, e sem contar com Jorge Carlos Fonseca, que termina o segundo e último mandato como Presidente da República. Num período de mudança, portanto, as sondagens indicam invariavelmente a vitória de José Maria Neves (primeiro-ministro de 2001 a 2016) com uma margem confortável sobre Carlos Veiga (primeiro-ministro de 1991 a 2001).

A sondagem mais recente, divulgada pelo jornal cabo-verdiano “Mercado”, confirma a tendência de um estudo anterior, que conferia a José Maria Neves 38,3% das intenções de voto, 7,6 pontos acima de Carlos Veiga (30,7%), o que implicaria uma segunda volta. Mas não é certo que esta venha a ser necessária. Aliás, as últimas ações de campanha de José Maria Neves vão exatamente no sentido de incentivar os apoiantes a não faltarem à votação de domingo, para que não seja necessário regressarem às urnas.

Conteúdo reservado a assinantes. Para ler a versão completa, aceda aqui ao JE Leitor

Recomendadas

Angola anuncia realização de 17,2 milhões de euros em leilão de diamantes

As sessões de avaliação decorreram entre os dias 15 e 29 de novembro e as propostas aos “diamantes especiais de Catoca e Lulo”, feitas através de uma plataforma eletrónica ‘online’ criada para o efeito, foram apresentadas hoje.

Covid-19: Guiné-Bissau quer que UE aceite o seu certificado digital de vacinação

Os certificados digitais de vacinação da Guiné-Bissau são emitidos presencialmente para evitar falsificações e cumprem as regras da Organização Mundial de Saúde (OMS), incluem um código QR e estão em três línguas internacionais – português, inglês e francês.

Covid-19: África do Sul sente-se “castigada” por ter detetado variante Omicron

“Esta última vaga de proibições de viagens equivale a punir a África do Sul por ter sequenciado o genoma e pela capacidade de detetar novas variantes mais rapidamente. A excelência científica deve ser aplaudida, não punida”, disse o Governo sul-africano num comunicado, dois dias depois de ter anunciado a descoberta.
Comentários