Jovens estudam mais, mas prémio salarial continua a cair

Este prémio salarial é conquistado por todos os trabalhadores de todas as gerações – desde 1920 até 1999 – que tenham um maior grau de escolaridade. Ainda assim, e numa análise geracional, o prémio tem sido reduzido com a passagem do tempo, sendo menor para as gerações mais recentes. 

O mercado de trabalho pode não estar a aproveitar as melhorias das qualificações da população portuguesa, sendo o trabalhador português mais jovem o mais afetado devido à redução do prémio salarial, revela o “Público” citando um estudo da Fundação Calouste Gulbenkian.

Este prémio salarial é conquistado por todos os trabalhadores de todas as gerações – desde 1920 até 1999 – que tenham um maior grau de escolaridade. Ainda assim, e numa análise geracional, o prémio tem sido reduzido com a passagem do tempo, sendo menor para as gerações mais recentes.

“O contributo da escolaridade para a melhoria dos rendimentos individuais do trabalho é muito mais significativo para os trabalhadores das gerações mais antigas do que para aqueles nascidos nas últimas décadas, nomeadamente nos anos 80 e 90”, descreve o estudo realizado por Pedro Martins, professor da Nova SBE e ex-secretário de Estado do Trabalho.

Numa análise mais detalha, o estudo mostra que o prémio salarial da educação ascende a 9,1% para a geração nascida em 1950, enquanto para a geração nascida na década de 1990 não ultrapassa os 4,8%. O autor do estudo notou que o facto da população estar a estudar mais representa um efeito para os dados, mas que o atual modelo de crescimento económico se basear em sectores de atividade que valorizam pouco a escolaridade dos trabalhadores também é um efeito a ter em conta.

Recomendadas

Plano de Formação Financeira aposta na formação financeira digital e na sensibilização para a sustentabilidade

Conselho Nacional de Supervisores Financeiros quer reforçar parcerias e apostar no digital. O Plano Nacional de Formação Financeira para o horizonte 2021-2025 define três dimensões estratégicas de atuação: reforçar a resiliência financeira; promover a formação financeira digital; e contribuir para a sustentabilidade.

Conheça as novas datas do calendário escolar 2021/2022

O calendário escolar foi ajustado devido à “semana de contenção de contactos. Os cinco dias de atraso no arranque do 2.º período serão compensados com aulas na segunda e quarta de Carnaval e com três dias de aulas no início das férias da Páscoa.

Fundação José Neves tem mais de mil bolsas de estudo disponíveis para universidades públicas e politécnicos

As candidaturas para os alunos desses cursos estão abertas até ao dia 15 de dezembro e a FJN tem disponíveis cerca de 1,3 milhões de euros para investir no pagamento de propinas até final do ano.
Comentários