JPMorgan reconhece “erro de cálculo” quanto à reação dos adeptos à Superliga

O banco norte-americano sofreu uma forte onda de críticas, à semelhança das restantes entidades envolvidas, garantindo que irá aprender com o erro de cálculo.

REUTERS/Eric Thayer

O JPMorgan Chase afirma ter cometido um erro de cálculo na avaliação que fez da reação dos adeptos de futebol à Superliga europeia, garantindo que irá aprender com o erro, segundo o The Guardian. O banco norte-americano estava envolvido na competição como financiador de 3,25 mil milhões de euros.

“Claramente avaliamos mal como este projeto seria recebido pela comunidade futebolística mais alargada e como isso os poderia afetar no futuro”, afirmou ao jornal britânico fonte do banco. “Vamos aprender com isto”, acrescentou.

O JPMorgan Chase recebeu uma forte onda de críticas pelo seu envolvimento na liga europeia, bem como os restantes participantes e entidades envolvidas. Recorde-se que a polémica estalou quando, no passado domingo, 12 clubes ingleses, espanhóis e italianos anunciaram a sua intenção de criar uma liga privada de 15 equipas residentes, às quais se juntariam cinco por convite.

As 12 equipas eram os ingleses Arsenal, Chelsea, Liverpool, Manchester United, Manchester City e Tottenham, os espanhóis Atlético de Madrid, FC Barcelona e Real Madrid e, de Itália, AC Milan, Inter de Milão e Juventus. A ideia acabou por ruir passados poucos dias, após o anúncio da retirada da maior parte dos clubes, que enfrentaram fortes críticas de adeptos da modalidade.

Recomendadas
Miguel Maya

Saíram 190 colaboradores até março, e “no momento oportuno” o BCP anunciará o plano

Dois temas revelantes foram questionados ao presidente do BCP na apresentação de resultados. O primeiro sobre o plano de saída de pessoal que o mercado espera que seja anunciado e o segundo sobre o financiamento ao Fundo de Resolução para injetar no Novo Banco. No primeiro Miguel Maya prometeu anunciar “em momento oportuno”, no segundo disse que o BCP, que faz parte do sindicato bancário, “tem sido diligente” e que “não é o BCP que atrasa o que quer que seja”.

Novo Banco: Ministério fixou “limite inferior do intervalo” para capitalização

O antigo governador do Banco de Portugal Carlos Costa assegurou hoje que o “limite inferior do intervalo” para capitalizar o que viria a ser o Novo Banco foi determinado pelo Ministério das Finanças, contrariando declarações de Maria Luís Albuquerque.

Novo Banco: “Não houve nenhuma complacência” com a família Espírito Santo

“Não houve nenhuma complacência nessa matéria. Mas houve um grande rigor do ponto de vista da constituição de provas, porque não basta ter sentimentos, não basta ter indícios”, disse hoje no parlamento o antigo governador, respondendo a João Paulo Correia (PS) sobre o adiamento da família Espírito Santo do banco.
Comentários