JPP pede transparência, justiça e legalidade na Segurança Social da Madeira

“Não podemos admitir que, na Madeira, existam grandes empresas a criar grandes fortunas, e que, posteriormente não cumprem com as suas obrigações contributivas, penalizando todos os restantes devedores que, de forma responsável, e em boa fé, são cidadãos cumpridores dos seus deveres”, salientou.

O deputado Juntos pelo Povo (JPP) Rafael Nunes afirmou esta terça-feira haver uma “situação de ilegalidade” relativamente ao Instituto de Segurança Social da Madeira e especificamente sobre a publicação da lista de devedores à Segurança Social com processos de execução ativos.

Foi tornado público recentemente, que a Segurança Social da Madeira deixou prescrever diversas dívidas a entidades no valor total aproximado de 52 milhões de euros, o que na opinião do deputado “demostra a urgente necessidade de atuação ao nível da monitorização e acompanhamento das situações de dívidas dos contribuintes coletivos e singulares” pela Segurança Social.

“A publicitação desta lista de devedores é, aliás, uma obrigatoriedade legal, já em vigor em todo o território continental”, integrando todos aqueles devedores que “por ter terminado o prazo de pagamento voluntário e sem terem requerido qualquer tipo de prestação de pagamentos, qualquer tipo de garantias de formas de pagamento ou até, de isenção de pagamento se encontram em situação de irregularidade contributiva perante a Segurança Social”, vincou.

Rafael Nunes frisou que esta é uma medida de transparência contributiva que dá o devido respeito e justiça a todos aqueles que cumprem com as suas obrigações no final de cada mês e a todos aqueles que celebraram, com o respeito e responsabilidade, acordos de pagamento antes de ser iniciado o processo de execução fiscal.

“Não podemos admitir que, na Madeira, existam grandes empresas a criar grandes fortunas, e que, posteriormente não cumprem com as suas obrigações contributivas, penalizando todos os restantes devedores que, de forma responsável, e em boa fé, são cidadãos cumpridores dos seus deveres”, salientou.

O deputado do JPP afirmou que o Instituto de Segurança Social da Madeira “tem por missão o cumprimento das obrigações decorrentes dos regimes de segurança social, mas também a gestão da recuperação da dívida do sistema de segurança social”.

Neste sentido, Rafael Nunes referiu que o JPP vai atuar nesta situação, recomendado ao Governo Regional que cumpra a lei em vigor e que divulgue a lista de devedores ao Instituto de Segurança Social da Madeira, “de forma a garantir os necessários princípios da transparência e de credibilidade que devem ser inerentes à utilização dos recursos públicos”, através de um projeto de resolução que vai dar entrada na Assembleia Legislativa da Madeira.

Ler mais
Recomendadas

Madeira: Número de postos de trabalho na Administração Regional cresce no segundo trimestre

Em abril de 2020, a remuneração base média mensal na ARM foi de 1.529,3 euros, tendo crescido 7,5% em termos homólogos, enquanto o ganho médio mensal (que corresponde ao agregado das remunerações de base, prémios, subsídios ou suplementos) fixou-se em 1.749,4 euros, observando-se uma variação homóloga de crescimento em 7,1%.

Madeira: Turismo reforça aposta no ‘Madeira Outdoor Summit’

O ‘Madeira Outdoor Summit’ tem como objetivo a troca de experiências e conhecimentos dos oradores ligados às atividades que podem ser praticadas na Madeira e Porto Santo ao longo de todo o ano.

PS-Madeira propõe programa de 65 milhões de euros para apoio às empresas

“Este é um apoio direto à comparticipação de custos que neste momento não são elegíveis em programas de apoio já dados pelo Governo Regional”, referiu Paulo Cafôfo, falando particularmente dos custos com os salários, com as contribuições para a Segurança Social, com as rendas, com a vigilância e segurança e com consumos de energia elétrica ou água.
Comentários