Juiz Carlos Alexandre vai liderar processo de Tancos

O processo de Tancos tem 23 pessoas acusadas, entre as quais o ex-ministro da Defesa Azeredo Lopes, que se demitiu do cargo em outubro de 2018 na sequência das relevações e da polémica em torno do caso das armas roubadas.

O juiz Carlos Alexandre vai liderar o processo de instrução do caso Tancos, noticia esta terça-feira a “TVI”. Segundo apurou o canal de Queluz de Baixo, o magistrado de 57 anos à frente deste caso. Inicialmente, havia sido referido que seria João Bártolo a coordenar a instrução no caso das armas roubadas nos paióis.

O processo de Tancos tem 23 pessoas acusadas, entre as quais o ex-ministro da Defesa Azeredo Lopes, que se demitiu do cargo em outubro de 2018 na sequência das relevações e da polémica em torno do caso. Aos arguidos são imputados crimes como terrorismo, associação criminosa, denegação de justiça, prevaricação, falsificação de documentos, tráfico de influência, abuso de poder, recetação e detenção de arma proibida.

Nove dos 23 arguidos foram acusados de planear e executar o furto do material militar dos paióis nacionais e os restantes 14, entre os quais Azeredo Lopes, da encenação que esteve na base da recuperação do equipamento. O antigo governante foi acusado de prevaricação e denegação de justiça, abuso de poder e favorecimento pessoal.

O caso do furto das armas em Tancos foi tornado público pelo Exército a 29 de junho de 2017 com a indicação de que ocorrera no dia anterior, tendo a alegada recuperação/achamento do material de guerra furtado ocorrido na região da Chamusca, no distrito de Santarém, em outubro de 2017, numa operação que envolveu a Polícia Judiciária Militar, em colaboração com elementos da GNR de Loulé.

Vários altos responsáveis da PJ Militar e elementos da GNR de Loulé foram também acusados.

Com Lusa

Ler mais
Recomendadas

Isabel dos Santos tem de reconhecer ilícitos para negociar com Angola, realça PGR angolano

Em declarações hoje em Luanda, Helder Pitta Grós rejeitou estar a decorrer qualquer negociação nesta altura no âmbito do processo cível em que foram arrestadas contas e participações sociais da empresária Isabel dos Santos, filha do ex-Presidente José Eduardo dos Santos, e em que o Estado angolano reclama perto de 2 mil milhões de dólares (1,7 mil milhões de euros).

‘Operação Marquês’: Juiz não marca ainda data da decisão instrutória devido a complexidade do processo

No final do debate instrutório, o juiz de instrução leu um despacho no qual, revelando vários dados sobre número de folhas, horas de interrogatórios, quantidade de apensos, justificou a sua impossibilidade de proferir uma decisão instrutória em 10 dias ou num prazo razoável, pelo que não irá marcar para já uma data para a leitura da decisão de quem vai ou não a julgamento.
luís_menezes_leitão_bastonário_ordem_advogados

Ordem dos Advogados vai impugnar portaria do Governo sobre subida de oito cêntimos nos honorários

Luís Menezes Leitão considera inadmissível que o Ministério da Justiça não tenha considerado a sua proposta de efeitos retroativos.
Comentários