Juiz Carlos Alexandre vai liderar processo de Tancos

O processo de Tancos tem 23 pessoas acusadas, entre as quais o ex-ministro da Defesa Azeredo Lopes, que se demitiu do cargo em outubro de 2018 na sequência das relevações e da polémica em torno do caso das armas roubadas.

O juiz Carlos Alexandre vai liderar o processo de instrução do caso Tancos, noticia esta terça-feira a “TVI”. Segundo apurou o canal de Queluz de Baixo, o magistrado de 57 anos à frente deste caso. Inicialmente, havia sido referido que seria João Bártolo a coordenar a instrução no caso das armas roubadas nos paióis.

O processo de Tancos tem 23 pessoas acusadas, entre as quais o ex-ministro da Defesa Azeredo Lopes, que se demitiu do cargo em outubro de 2018 na sequência das relevações e da polémica em torno do caso. Aos arguidos são imputados crimes como terrorismo, associação criminosa, denegação de justiça, prevaricação, falsificação de documentos, tráfico de influência, abuso de poder, recetação e detenção de arma proibida.

Nove dos 23 arguidos foram acusados de planear e executar o furto do material militar dos paióis nacionais e os restantes 14, entre os quais Azeredo Lopes, da encenação que esteve na base da recuperação do equipamento. O antigo governante foi acusado de prevaricação e denegação de justiça, abuso de poder e favorecimento pessoal.

O caso do furto das armas em Tancos foi tornado público pelo Exército a 29 de junho de 2017 com a indicação de que ocorrera no dia anterior, tendo a alegada recuperação/achamento do material de guerra furtado ocorrido na região da Chamusca, no distrito de Santarém, em outubro de 2017, numa operação que envolveu a Polícia Judiciária Militar, em colaboração com elementos da GNR de Loulé.

Vários altos responsáveis da PJ Militar e elementos da GNR de Loulé foram também acusados.

Com Lusa

Ler mais
Recomendadas

Tribunal de Contas acusa ministério de Centeno de falta de liderança na reforma das Finanças Públicas

O Tribunal de Contas alerta que quatro projetos que deveriam ter sido concluídos no primeiro semestre de 2019 não foram ainda iniciados no âmbito da implementação da Lei de Enquadramento Orçamental. Recomenda mais meios, assim como estabelecer melhor hierarquia nas prioridades dos projetos.

Operação Marquês: Início do debate instrutório adiado para 4 de março

O início do debate instrutório da Operação Marquês, que estava previsto para o fim de janeiro de 2020, foi adiado para 04 de março do próximo ano, disse à agência Lusa fonte ligada ao processo.

Governo cria grupo de trabalho para definir estratégia de combate à corrupção

O grupo terá a dependência direta da ministra da Justiça, Francisca Van Dunem, e tem a finalidade de, por exemplo, obrigar as entidades administrativas a aderir a um código de conduta ou a adotar códigos de conduta próprios.
Comentários