Julgamento de Ricardo Salgado volta a ser adiado (com áudio)

O julgamento foi adiado a pedido do Ministério Público e marcado para 6 de julho.

Ricardo Salgado

O julgamento do antigo banqueiro Ricardo Salgado foi adiado para 6 de julho, noticia a “RTP” esta segunda-feira, 14 de junho.

Esta é a segunda vez que o arranque do julgamento no âmbito do processo da Operação Marquês do líder do antigo Banco Espírito Santo (BES) é adiada.

Na primeira vez, o julgamento foi adiado a pedido da defesa por não ter entregue ainda ao tribunal a contestação aos factos pelo qual o arguido está acusado.

Desta vez, o Ministério Público pediu o adiamento por precisar de mais tempo para analisar precisamente a contestação entregue pela defesa do ex-banqueiro.

“A defesa do Ricardo Salgado já havia advertido para a extensão dos documentos e o Ministério Público que terá de exercer o contraditório”, disse Adriano Squilacce, um dos responsáveis pela defesa do banqueiro à saída do tribunal no Campus de Justiça em Lisboa ouvido pela RTP.

O ex-banqueiro Ricardo Salgado, de 76 anos, vai ser julgado por três crimes de abuso de confiança, devido a transferência de mais de 10 milhões de euros.

Ricardo Salgado foi acusado pelo Ministério Público de 21 crimes, incluindo corrupção ativa, branqueamento de capital, falsificação de documentos e fraude fiscal qualificada.

No entanto, o juiz de instrução Ivo Rosa pronunciou Ricardo Salgado unicamente por três crime de abuso de confiança, um processo conexo e separado da Operação Marquês, segundo a agência Lusa.

Recomendadas

Banco italiano Intesa Sanpaolo sobe lucros para 3.023 milhões no primeiro semestre

As receitas ascenderam a 10.674 milhões de euros, mais 1,7% em comparação com os 10.494 milhões de euros obtidos no primeiro semestre de 2020, e os custos foram de 5.255 milhões de euros, menos 2,7%

Banco Angolano de Investimentos aliena participações sociais na Griner e Novinvest por 13 milhões

Estas operações inserem-se na estratégia de separação de atividade financeiras e não financeiras do grupo BAI, permitindo, simultaneamente, a criação e desenvolvimento de grupos não financeiros angolanos que contribuam para o crescimento do país.

Commerzbank agrava prejuízos para 394 milhões de euros no primeiro semestre

O Commerzbank, segundo maior banco comercial privado da Alemanha, informou que as receitas totais melhoraram no primeiro semestre para 4.353 milhões de euros (+5,5%).
Comentários