Juncker travou medidas europeias contra evasão fiscal

Em causa está um comité criado há 19 anos pelos Estados membros para discutir o código de conduta fiscal de grandes empresas.

Vincent Kessler/Reuters

Enquanto primeiro-ministro do Luxemburgo, Jean-Claude Juncker travou esforços da União Europeia no combate à evasão fiscal por parte de grandes multinacionais, noticiou o “Guardian”.

O diário britânico, o Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação e a rádio alemã NDR reuniram um conjunto de telegramas diplomáticos da Alemanha que mostraram como um grupo de vários países em certas ocasiões liderado pelo Luxemburgo decidiu atrasar ou travar medidas propostas por um comité criado pelos Estados membros e envolto em secretismo para discutir o código de conduta fiscal de grandes empresas.

“Não temos conhecimento das comunicações que vocês dizem ter, não sabemos se são genuínas e por isso não podemos comentar”, explicou o porta-voz do Governo luxemburguês. E acrescentou que “nos últimos anos, o Luxemburgo tem estado na linha da frente das tendências globais para uma maior transparência em matérias fiscais e na luta contra competição fiscal prejudicial”.

Contactado pelo “Guardian”, o Ministério das Finanças do Luxemburgo não quis fazer comentários a decisões de Governos anteriores no âmbito de discussões privadas nas instituições europeias: “Não temos conhecimento das comunicações que vocês dizem ter, não sabemos se são genuínas e por isso não podemos comentar”. “Nos últimos anos, o Luxemburgo tem estado na linha da frente das tendências globais para uma maior transparência em matérias fiscais e na luta contra competição fiscal prejudicial”, explicou o porta-voz do Governo luxemburguês.

No mesmo sentido, o gabinete do atual presidente da Comissão Europeia respondeu ao jornal que não fala sobre posições do número um da Comissão Europeia enquanto líder do executivo luxemburguês no passado.

Um antigo membro do comité em questão, que optou opor proteger a identidade, confirmou estas alegações e disse que a entidade já não se encontra em funcionamento com os mesmos propósitos.

Ler mais
Recomendadas

Contribuintes que ganham mais de mil euros continuam a reter IRS a mais, diz a PwC

A atualização das tabelas de retenção para 2019 continua a não refletir integralmente o alargamento dos escalões do IRS de 2018 para a generalidade dos trabalhadores e pensionistas com rendimento a partir de mil euros, segundo os cálculos da PwC.

FMI indica três passos para evitar uma crise de dívida pública

O artigo publicado hoje no IMFBlog, o Fundo Monetário Internacional (FMI) afirma que “a sustentabilidade da dívida de alguns países de alto risco tem sido objeto de muito debate público”, mas, no entanto, “o peso da dívida pública é um problema crescente em todo o mundo”.

Luís Pedro Martins eleito para mandato de 5 anos na Turismo Porto e Norte de Portugal

De acordo com os atuais estatutos da TPNP, o mandato da comissão executiva tem a duração de cinco anos e só pode ser renovado uma vez.
Comentários