Justiça brasileira levanta sigilo sobre bens de sócios do grupo Odebrecht

A Justiça brasileira levantou provisoriamente o sigilo judicial sobre os bens particulares dos sócios gestores e dos administradores do grupo Odebrecht, instaurado no processo de recuperação judicial da empreiteira, noticou na terça-feira a imprensa local.

Ao levantar o sigilo judicial, em resposta a um pedido do Banco Nacional de Desenvolvimento Económico e Social (BNDES), o desembargador Alexandre Lazzarini afirmou não ser plausível que os credores, que têm poder de voto na assembleia do grupo, não tenham acesso a todos os documentos do processo, de acordo com o jornal “Folha de S. Paulo”.

O BNDES argumentou que o sigilo em torno dos bens criava “um cenário de sombras, contrário à lisura necessária para um negociação coletiva”, havendo o “risco de tomada de decisões baseadas em premissas falsas”.

Até então, as informações sobre os bens particulares dos sócios e administradores do grupo Odebrecht estavam apenas disponíveis para o próprio juiz do caso, para o Ministério Público e para a administradora judicial.

O acesso foi estendido aos credores, mantendo-se o sigilo para terceiros estranhos ao processo.

Em defesa da manutenção do sigilo, a Odebrechet alegou que o 5.º artigo da Constituição garante a inviolabilidade de dados patrimoniais e bancários.

“As informações digitais serão espalhadas em questão de segundos, em total desrespeito à intimidade de cada um dos indivíduos afetados”, declarou o grupo empresarial, citado pelo mesmo jornal.

O grupo acrescentou ainda que a manutenção do sigilo não traz quaisquer prejuízos aos credores.

Em 18 de junho, o grupo brasileiro Odebrecht anunciou ter entrado com um pedido de recuperação judicial na Justiça de São Paulo, após somar dívidas que chegam a cerca de 83 mil milhões de reais (19 mil milhões de euros).

O grupo empresarial, que atua em ramos como construção, engenharia, energia e química, chegou a ser a maior empreiteira do país sul-americano, mas viu os negócios cederem após a Operação Lava-Jato ter revelado um esquema de corrupção montado por executivos do grupo.

Entre 2008 e 2015, a dívida total das empresas da Odebrecht subiu de 18 mil milhões para 110 mil milhões de reais (de quatro mil milhões para 25 mil milhões de euros).

A Odebrecht informou ainda que o processo envolve 51 mil milhões de reais (11,6 mil milhões de euros) de dívidas passíveis de reestruturação.

A recuperação judicial da Odebrecht envolve 21 empresas do grupo, incluindo a ‘holding’ ODB e a Kieppe, que congrega a participação da família Odebrecht.

As maiores companhias operacionais — OEC (construção civil), OR (incorporação imobiliária), Enseada (estaleiro), Ocyan (petróleo), Odebrecht Transport (infraestrutura) e Braskem (petroquímica) — não estão incluídas no processo de recuperação judicial.

Também estão fora do processo a Atvos Agroindustrial S.A., que já se encontra em recuperação judicial, e a Odebrecht Corretora de Seguros, Odebrecht Previdência e Fundação Odebrecht.

Atualmente, o grupo empresarial tem 48 mil funcionários e, no auge, chegou a ter 180 mil empregados, segundo números divulgados pelo próprio grupo empresarial.

A recuperação judicial é uma medida jurídica que protege empresas de serem levadas à falência, visando garantir a reestruturação dos negócios e a redefinição de um plano de resgate financeiro da companhia.

Em nota aos funcionários, o presidente da Odebrecht, Luciano Guidolin, apontou que a recuperação judicial é a medida mais adequada neste momento.

Ler mais
Recomendadas

Novo Presidente argentino quer agenda ambiciosa com o Brasil, para além da tensão com Jair Bolsonaro

O Presidente da Argentina, Alberto Fernández, destacou esta terça-feira no Brasil no seu discurso de posse no parlamento e pediu uma “agenda ambiciosa” apoiada pela história dos dois povos e não pela “diferença pessoal” com o seu homólogo brasileiro, Jair Bolsonaro.

Boris Johnson admite risco de falhar maioria absoluta nas eleições legislativas

Johnson aludiu às eleições de 2017, quando a antecessora Theresa May tinha uma vantagem nas sondagens mas acabou por não conseguir uma maioria de deputados na Câmara dos Comuns, precisando do apoio do Partido Democrata Unionista (DUP) da Irlanda do Norte para formar governo.

Boris Johnson recria cena da porta do filme “O amor acontece”. Hugh Grant já criticou vídeo

Na nova versão, o primeiro-ministro britânico pede o voto ao seu eleitorado para que o Reino Unido consiga avançar no processo do Brexit. Hugh Grant, que entrou no filme, já criticou o filme.
Comentários