Justiça francesa investiga BNP Paribas por alegada cumplicidade no genocídio no Ruanda

Na base da investigação está a possibilidade do banco ter transferido mais de 1,3 milhões de dólares de fundos, para financiar a compra de 80 toneladas de armas por um general do Ruanda, considerado o teórico do genocídio contra os tutsi.

O Ministério Público francês abriu uma investigação ao maior banco francês, o BNP Paribas, sobre uma alegada cumplicidade da instituição no genocídio no Ruanda, em 1994, noticia o Financial Times.

Na base da investigação está a possibilidade do banco ter transferido mais de 1,3 milhões de dólares de fundos, para financiar a compra de 80 toneladas de armas por um general do Ruanda, considerado o teórico do genocídio contra os tutsi.

“Este é um passo mecânico e obrigatório numa queixa deste tipo. Não é de forma alguma um novo desenvolvimento. Está relacionado com um assunto que remonta a 1994”, disse o BNP Paribas, em comunicado, citado pelo jornal britânico.

O banco salienta, ainda, que “não recebeu a queixa que foi anunciada nos media. E não temos conhecimento do conteúdo da queixa. Dadas as condições, não é possível comentar em mais detalhe”.

O processo ocorre depois de um inquérito preliminar iniciado na sequência das queixas da associação Sherpa, do Colectivo das Partes Civis pelo Ruanda e da Ibuka França, em junho.

Recomendadas

Primeiro-ministro eslovaco internado com infeção respiratória

Peter Pellegrini foi hospitalizado este domingo à noite com uma infeção respiratória, acompanhada de febre, tendo sido obrigado a cancelar a sua agenda numa semana de eleições parlamentares no país.

“As pessoas têm medo, até de um simples aperto de mão”. Portuguesa em Itália conta como se lida com o coronavírus

“Na zona de Milão, os supermercados estão completamente vazios e não se encontra máscaras de proteção facial em lado nenhum”, relata ao JE uma jornalista portuguesa que reside na zona da Toscana, perto de Florença, região onde, para já, tudo está tranquilo no que diz respeito a casos de coronavírus.

Covid-19: Irão “nega categoricamente” notícias sobre 50 mortes

“Nego categoricamente essa informação” disse à imprensa o vice-ministro da Saúde, Iraj Harirtchi, sobre a informação avançada pelo deputado Ahmad Amirabadi Farahani, que acusou o governo de Teerão de “mentir ao povo”.
Comentários