Justiça sueca encerra investigação por violação contra Julian Assange

As autoridades suecas anunciaram hoje que decidiram encerrar as investigações a um alegado caso de violação de que era acusado o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, que está preso no Reino Unido.

Em maio deste ano, a justiça sueca tinha reaberto uma investigação preliminar a um caso de alegada violação imputada a Julian Assagen, que remontava a 2010 e que tinha sido abandonada em 2017.

“Quero informar a minha decisão de interromper a investigação preliminar”, disse hoje a vice-procuradora sueca Eva-Marie Persson, numa conferência de imprensa, em Estocolmo, acrescentando que “todos os atos de inquérito foram esgotados (…) sem permitirem as evidências necessárias para uma condenação”.

Em abril, Assage foi detido em Londres, à saída da embaixada do Equador depois de Quito lhe ter retirado o estatuto de exilado de que beneficiava há sete anos, acusado de não ter comparecido a uma audiência em tribunal relacionada precisamente com o caso em investigação na Suécia.

Permanece detido no Reino Unido e defende-se de um pedido de extradição para os Estados Unidos, onde é acusado de espionagem e conspiração por ter acedido e divulgado documentos secretos.

Recomendadas

Ao fim de 40 anos, Amadeu Guerra jubila-se e sai da PGDL

Procurador geral Distrital de Lisboa jubilou-se no final de junho. Amadeu Guerra estava na liderança da PGDL desde o início de 2019, depois de seis anos à frente do Departamento de elite do Ministério Público, o DCIAP, que nos últimos anos investigou casos como a “Operação Marquês”, processo da EDP, processo Monte Branco e caso BES, entre outros.

Covid-19: Juiz Carlos Alexandre “forçado” a isolamento profilático

Delegado de Saúde de Lisboa recomendou isolamento ao magistrado judicial depois de várias pessoas que estiveram envolvidas numa busca a uma agência bancária em Leiria terem contraído o vírus.

Suspensão de funções de Mexia obriga MP a ter acusação pronta até março

O Ministério Público tem oito meses para deduzir a acusação no processo das rendas excessivas- Este é prazo que a lei prevê para a suspensão de funções como no caso de António Mexia e João Manso Neto na EDP, cujos mandatos terminam a 31 de dezembro deste ano. Caso não haja acusação neste prazo, ou seja, até março, extingue-se a medida de coação ontem decretada pelo juiz Carlos Alexandre. Eventual recondução destes dois gestores na elérica nacional parece estar irremediavelmente afastada.
Comentários