Kamala Harris estreia-se em campanha: “Temos um presidente que se preocupa mais consigo do que com as pessoas”

Além das criticas a Donald Trump, Kamala Harris destacou que Joe Biden é “a única pessoa que serviu ao lado do primeiro presidente negro, e escolheu a primeira mulher negra como sua companheira”

Kamala Harris estreou-se na campanha como vice-presidente democrata de Joe Biden na quarta-feira e aproveitou para reprovar a liderança do presidente Donald Trump.

“Os Estados Unidos clamam por liderança, mas temos um presidente que se preocupa mais consigo do que com as pessoas que o elegeram, um presidente que está a transformar cada desafio que enfrentamos em algo ainda mais difícil de resolver”, apontou Kamala Harris, que discursou junto a Joe Biden, a partir de uma escola em Delaware.

Kamala Harris também sublinhou o significado histórico da escolha de Joe Biden para a vice-presidência americana. “Hoje, [Biden] ganha um lugar na história contínua da marcha da América no sentido da igualdade e justiça, sendo a única pessoa que serviu ao lado do primeiro presidente negro, e escolheu a primeira mulher negra como sua companheira [de campanha]”, recordou, de acordo com as declarações citadas pela agência “Reuters”.

A candidata vice-presidente democrata assumiu que há muito tempo admira o compromisso de Biden com a sua família e o país e garantiu que o parceiro político está pronto para enfrentar os desafios criados pelas falhas de Trump em lidar com a pandemia, bem como a agitação racial.

“Este é um momento de consequências reais para a América”, referiu Kamala Harris . “Tudo aquilo com que nos importamos, a nossa economia, a nossa saúde, os nossos filhos, o tipo de país em que vivemos, está tudo em jogo”, enalteceu Kamala Harris.

Por sua vez, Joe Biden destacou que “em todo o país, as meninas acordaram, especialmente as meninas negras que tantas vezes se sentem esquecidas e desvalorizadas nas suas comunidades. Hoje, talvez, elas estão a ver-se pela primeira vez de uma nova forma. Como coisa de presidentes e vice-presidentes”.

Donald Trump ainda não respondeu às criticas, mas já se manifestou sobre a escolha de Joe Biden: “Joe Biden e Kamala Harris destruiriam a América”, apontou um anúncio da campanha de Donald Trump divulgado anteontem nas televisões. Mais tarde, ainda na terça-feira, o presidente americano garantiu, em conferência de imprensa que Harris “é uma pessoa que contou muitas, muitas histórias que não eram verdadeiras”.

Ler mais
Relacionadas

Kamala Harris: uma radical para acompanhar um conservador

A escolha de Joe Biden serve para fazer a ponte entre as alas da esquerda e da direita do Partido Democrata – afinal, o mesmo que fez o próprio Biden durante 12 anos junto de Barack Obama. No Twitter, Donald Trump já lançou esse estigma.

“Joe Biden e Kamala Harris destruiriam a América”. Donald Trump ataca vice-presidente do candidato democrata

Donald Trump já reagiu à escolha de Kamala Harris para ‘vice’ do candidato do Partido Democrata, Joe Biden. Trump referiu-se a Kamala Harris como alguém “muito, muito desagradável, provavelmente mais desagradável até do que a Pocahontas com Joe Biden”

Eleições EUA: Joe Biden escolhe primeira mulher negra para vice-presidente

Joe Biden partilhou no Twitter que teve “a grande honra” de nomear Harris para ser a sua número 2 e descreveu-a sendo “uma das melhores funcionárias do país”
Recomendadas

Biden e Trump defrontam-se pela primeira vez. Pandemia, tensão racial e impostos do presidente são os temas quentes

Com o aproximar das eleições presidenciais norte-americana, o primeiro debate realiza-se no meio de uma grande tensão política e social nos EUA, dada a pandemia e os protestos raciais que se seguiram à morte de George Floyd.

Bolsonaro diz que subsídios para os mais pobres na luta contra a pandemia não são eternos

De acordo com a imprensa brasileira, Bolsonaro justifica o aumento da despesa pública com a atribuição de subsídios aos mais carenciados, para mitigar efeitos da pandemia da Covid-19. Contudo, o presidente do Brasil diz que apoios não são para sempre.

Kuwait chora desaparecimento do emir Al-Sabah

O reinado do ‘pai dos árabes’, como era conhecido, começou em 2006 e foi marcado por um autoritarismo crescente. Externamente, era considerado um dos defensores da hegemonia árabe.
Comentários