Klarna torna-se na startup mais valiosa da Europa

O valor da Klarna subiu depois de a empresa sueca ter fechado uma ronda de investimento de 1 mil milhões numa combinação de investidores novos e outros ‘da casa’.

A empresa sueca de pagamentos “compre agora, pague depois” Klarna quase triplicou o seu valor para 31 mil milhões de dólares (25,72 mil milhões de euros) em menos de seis meses, segundo o “Business Insider”.

O valor da Klarna subiu depois de a empresa ter fechado uma ronda de mil milhões de dólares numa combinação de investidores novos e outros já conhecidos internamente. Nos últimos seis meses, a empresa já tinha fechado outra operação, de 650 milhões de dólares (539,06 milhões de euros), em setembro, com um grupo de investidores liderados por Silver Lake que avaliou a empresa em 11 mil milhões de dólares (9,12  mil milhões de euros).

A Klarna também garantiu que encaminharia 1% do capital para uma iniciativa recém-criada que se concentra nos principais desafios de sustentabilidade em todo o mundo, a ser lançada a 22 de abril, no Dia Mundial da Terra.

A Klarna, fundada em 2015, tem 90 milhões de consumidores ativos e 250 mil comerciantes em seu serviço de pagamentos, segundo o site da empresa. Serviços de pagamento como a Klarna, que permitem que os clientes atrasem o pagamento de compras online, levantam preocupações entre as autoridades sendo que os utilizadores estão a endividar-se.

A 8 de fevereiro, o governo do Reino Unido mencionou que planeia regulamentar esse tipo de serviço, depois que um trabalho produzido pelo ex-chefe do regulador financeiro, Christopher Woolard, ter exposto que esquemas do tipo “compre agora, pague depois” podem ser “prejudiciais” se não forem regulados.

Relacionadas

Falar Direito: “Retenção na fonte? Seria uma espécie de pacto laboral entre o Estado, empresas e empregadores”

Na última edição do programa “Falar Direito”, da plataforma multimédia JE TV, Rogério Fernandes Ferreira, sócio fundador da RFF & Associados, mencionou a possibilidade de existir um pacto entre Estado, empresas e trabalhadores para dispensar as empresas de pagar a retenção na fonte.
Recomendadas

Startup madeirense footAR, Bbox Sports e Full Venue escolhidas pelo Global Virtual Accelerator

As três startups já foram galardoadas em palcos internacionais. Com esta distinção no Global Virtual Accelerator passam a trabalhar com diversas organizações desportivas, onde se incluem modalidades como o basquetebol, rugby, e eSports.

“Sector da saúde e tecnologia podem e devem andar de mãos dadas”, afirma startup de ortodontia

“Pela proximidade a Espanha, Portugal era a escolha óbvia para crescermos e foi para nós um passo muito importante para consolidarmos a nossa presença no mercado e o nosso posicionamento enquanto uma cadeia internacional de clínicas especializadas em ortodontia invisível”, destaca a co-fundadora Diliara Lupenko.

Hub Criativo do Beato cria laboratório para promover sustentabilidade ambiental

A execução do projeto “Living Lab” tem duração de três anos, estando previsto terminar em 2024, e intervém em quatro áreas consideradas prioritárias: energia, edifícios, mobilidade e economia circular/ambiente. O investimento é de cerca de 2 milhões de euros.
Comentários