Lagarde anuncia revisão estratégica do BCE e admite ter todos os instrumentos para impulsionar a economia

“Emergiram novos desafios, como a demografia, a disrupção tecnológica e as alterações climáticas. O senso comum tem sido desafiado e a política monetária global tem explorado territórios desconhecidos”, referiu a presidente do Banco Central Europeu (BCE). “Isto obriga-nos a rever a nossa estratégia e a considerar como é que a nossa política monetária consegue cumprir, da melhor forma, com o nosso mandato” de estabilidade dos preços.

Na liderança do BCE há um mês, Christine Lagarde foi esta segunda-feira ouvida pelos deputados do Parlamento Europeu e anunciou uma novidade: a revisão da definição da estratégia desenvolvida pelo banco central.

Diferentemente de outros bancos centrais, o BCE tem um mandato único e explícito: a estabilidade dos preços. Em 2003, a meta da inflação foi definida para abaixo, mas perto dos 2%. Este mandato, por enquanto, não muda, mas Christine Lagarde disse que “a estratégia [do BCE] será revista, tendo em conta dois princípios: análise rigorosa e com uma mente aberta”.

A alteração da definição da estratégia do banco central deve-se a desafios que, em 2003, não foram tidos em consideração quando a meta da inflação foi definida. “Emergiram novos desafios, como a demografia, a disrupção tecnológica e as alterações climáticas. O senso comum tem sido desafiado e a política monetária global tem explorado territórios desconhecidos”, referiu a nova presidente do BCE.

“Isto obriga-nos a rever a nossa estratégia e a considerar como é que a nossa política monetária consegue cumprir, da melhor forma, com o nosso mandato” de estabilidade dos preços, frisou Christine Lagarde.

“As revisões estratégicas são comuns nos bancos centrais, embora o seu âmbito e objetivo variem muito. A Reserva Federal norte-americana está a levar a cabo uma revisão; o Banco do Canadá tem uma a cada cinco anos. No caso do BCE, a última revisão de estratégia foi executada em 2003. E muito mudou nos últimos 16 anos”, disse a presidente do BCE.

Christine Lagarde referiu que, por enquanto, é “prematuro” definir “o escopo, a direção e o prazo” da revisão estratégica do BCE mas, nas respostas aos deputados europeus, houve um tema que sobressaiu aos demais: as alterações climáticas.

Por exemplo, o impacto das alterações climáticoas passará a ser tido em conta nos modelos e projeções económicas do BCE. “Na antecipação de macro-tendências precisamos de ter as alterações climáticas em consideração”, disse Christine Lagarde.

“O nosso mandato é a estabilidade dos preços, mas há outras questões que temos de ter em consideração para conseguirmos cumprir com o nosso mandato”, salientou.

Christine Lagarde disse ainda que o BCE dispõe de todos os instrumentos necessários para impulsionar a economia da zona euro, que “está abaixo do seu potencial”. “Temos os instrumentos e vamos utilizá-los. E faremos aquilo que tivermos de fazer”, realçou.

Ler mais

Recomendadas

Wall Street fecha em alta com acordo na guerra comercial

Os EUA irão retirar progressivamente as tarifas sobre as exportações chinesas e a China irá adquirir mais exportações americanas. A China confirmou o acordo com os EUA.

Preço do barril de Brent sobe 1,64% para 65,25 dólares

O preço do barril de petróleo Brent para entrega em fevereiro terminou hoje no mercado de futuros de Londres em alta de 1,64%, para os 65,25 dólares. O crude do mar do Norte, de referência na Europa, concluiu a sessão no International Exchange Futures a cotar 1,05 dólares acima dos 64,20 com que encerrou as […]

Bolsa de Lisboa sobe com BCP a valorizar quase 2%

A sessão foi marcada essencialmente por dois fatores. Por um lado a vitoria dos Conservadores nas eleições inglesas e o alegado acordo na fase 1 entre os EUA e a China. Por cá BCP, EDP e Galp lideram ganhos e NOS e Altri lideram perdas.
Comentários