Lava-Jato: Lula da Silva tem condenações anuladas e pode voltar a candidatar-se

O Supremo Tribunal Federal do Brasil anulou todas as condenações do ex-presidente brasileiro. Lula da Silva recupera os direitos políticos e torna-se elegível para as eleições presidenciais do próximo ano.

O ex-presidente do Brasil Luíz Inácio Lula da Silva viu as condenações do caso Lava-Jato anuladas, o que lhe permite voltar a ser elegível às eleições presidenciais brasileiras, noticia “A Folha de São Paulo”.

O ministro Edson Fachin, do Supremo Tribunal Federal, anulou esta segunda-feira todas as condenações do ex-presidente Lula da Silva associadas  à operação Lava-Jato, considerando que a 13ª Vara Federal de Curitiba não tem competência para julgar quatro dos processos que envolvem o antecessor de Dilma Rousseff.

Desta forma, Lula da Silva recupera os direitos políticos e pode recandidatar-se às eleições presidenciais brasileiras de 2022.

A anulação foi decretada na sequência da decisão de Fachin de declarar a incompetência da Justiça Federal do Paraná nos processos sobre a posse de um apartamento de luxo no Guarujá, estado de São Paulo, e de uma quinta em Atibaia, também em São Paulo, que haviam levado a duas condenações do ex-chefe de Estado brasileiro, em decisões da primeira e segunda instâncias.

Luiz Inácio ‘Lula’ da Silva, de 75 anos, que governou o Brasil entre 2003 e 2010, foi preso em 2018 após ter sido condenado em segunda instância pelo Tribunal Regional Federal da 4.ª Região (TRF-4), num processo sobre a posse de um apartamento, que os procuradores alegam ter-lhe sido dado como suborno em troca de vantagens em contratos com a estatal petrolífera Petrobras pela construtora OAS.

O ex-Presidente brasileiro foi libertado no dia 08 de novembro de 2019, um dia após o STF decidir anular prisões em segunda instância, como era o caso do ex-governante.

(Atualizado às 19h12)

Ler mais
Recomendadas

Moody’s reprova que Brasil exclua despesas com a pandemia do teto fiscal

A agência de classificação fez referência ao acordo entre o Governo e o Congresso brasileiros para que as despesas extras relacionadas com a covid-19 não estejam sujeitas, este ano, ao teto de gastos obrigatório.

Bolsonaro diz que lei contra discriminação salarial pode dificultar emprego para mulheres

“Você pode estar dizendo: ‘o patrão tem que tomar vergonha na cara’. Pode acontecer que o pessoal não contrate ou contrate menos mulheres. Não vou discutir o mérito. Segunda-feira é o ‘dia D’. Vou ver nos comentários desta ‘live’ se eu devo sancionar ou vetar o projeto que aumenta a multa para aquele que pague salário menor”, acrescentou o Presidente.

Itália: Draghi apresenta Plano de Recuperação esta sexta-feira

O plano conta com uma dotação de mais de 220 mil milhões de euros. O plano definitivo só será apresentado a 30 de abril e o governo quer resolver o problema de quem gere o quê. A questão determinou o fim do anterior governo liderado por Giuseppe Conte.
Comentários