Lavagem de dinheiro: Advogados recusam ser “denunciantes” de clientes suspeitos

A Ordem dos Advogados está contra a nova legislação, resultante de uma diretiva comunitária, que obriga a que estes os advogados informem o Departamento Central de Investigação e Ação Pena (DCIAP) sobre as suspeitas de práticas de crimes que estejam ligadas aos seus clientes.

Cristina Bernardo

O bastonário da Ordem dos Advogados, Guilherme de Figueiredo, considera que a nova lei de combate à lavagem de dinheiro e de financiamento de terrorismo, que obriga os advogados a revelarem às autoridades toda a informação de que disponham sobre a prática de crimes, é um “ataque ao dever de sigilo” da profissão. Guilherme de Figueiredo defende que a medida obriga os advogados a serem uma espécie de “denunciantes” e apela, por isso, a uma reação conjunta com as congéneres europeias.

Segundo avança o jornal ‘Diário de Notícias’, a partir da próxima segunda-feira entra em vigor a nova legislação, resultante de uma diretiva comunitária, que não só proíbe os advogados de avisarem os seus clientes sobre investigações de que sejam alvo, como obriga a que estes informem o Departamento Central de Investigação e Ação Pena (DCIAP) sobre as suspeitas de práticas de crimes que estejam ligadas aos seus clientes.

Guilherme de Figueiredo sublinha que este decreto-lei choca com o Estatuto da Ordem dos Advogados (EOA), no qual os advogados estão sujeitos ao sigilo profissional, e acusa o Governo de quer passar as competências das autoridades judiciárias e polícias para os advogados.

“Esta lei obriga os advogados a serem uma espécie de denunciantes (whistleblowers), em relação aos seus clientes, em dadas transações, o que vai afetar o capital inestimável e que garante um Estado de direito, qual seja a possibilidade de alguém poder confiar totalmente no ou na advogada que escolhe”, sustenta Guilherme de Figueiredo.

O bastonário pede, por isso, uma reação conjunta de todas as ordens dos advogados dos países da União Europeia (UE) para que se possam manifestar contra a diretiva comunitária.

Relacionadas

Nova lei de lavagem de dinheiro “é um sério ataque ao dever de sigilo”, adverte Ordem dos Advogados

A nova lei que, entra em vigor na próxima semana, obriga os advogados a denunciar clientes por suspeitas de lavagem de dinheiro. Estes profissionais, além de bancos, notários e solicitadores, ficam ainda proibidos de praticar atos que impliquem o seu envolvimento em qualquer operação de branqueamento de capitais ou de financiamento do terrorismo.

Lavagem de dinheiro: Advogados obrigados a denunciar clientes suspeitos

Nova legislação quer reforçar a prevenção do branqueamento de capitais e financiamento de terrorismo.
Recomendadas
luís_menezes_leitão_bastonário_ordem_advogados

Advogados excluídos da moratória no crédito à habitação. Bastonário pede correção de “intolerável situação”

A Ordem dos Advogados (AO) considera que “não é aceitável” que a sujeição dos advogados e solicitadores a um regime específico de protecção social sirva de pretexto para que milhares destes profissionais possam ser discriminados no acesso, diz, “às mais elementares medidas de protecção social nesta época de crise”. Ordem apela ao Governo para que esta” intolerável situação seja rapidamente corrigida”.

Regulação, estado de emergência e a urgência dos tempos modernos

O contexto atual pede diligência acrescida aos órgãos de gestão, incluindo não apenas o conhecimento do processo e identificação dos riscos a que a instituição se encontra exposta mas, também, gestão de crise.

António Andrade: “Propriedade Intelectual é mais relevante nas crises”

Sócio da Abreu Advogados recorda como a indústria alemã renasceu na segunda metade do século XX devido à proteção dos produtos.
Comentários