Legislativas: Bloco de Esquerda volta a propor ‘taxa Robles’

Taxa penalizadora de especulação imobiliária chegou a ser discutida com o Governo em setembro, mas não foi viabilizada. Bloco de Esquerda resgata proposta para as legislativas de 6 de outubro e avança agora com detalhas sobre os valores de tributação.

“Temos barragens a mais, as barragens provocam evaporação, portanto nós estamos sempre a perder água e isto é um problema muito complicado.”

A medida não é nova e chegou a estar na mesa das negociações para o Orçamento do Estado para 2019, voltando agora a fazer parte do caderno de encargos dos bloquistas para a próxima legislatura. No programa eleitoral, divulgado este sábado, o Bloco de Esquerda resgata a proposta de um novo regime de tributação de mais valias imobiliárias, com o objetivo não só de aumentar a receita, mas penalizar a especulação.

Conhecida como ‘taxa Robles’, numa alusão ao antigo vereador bloquista na Câmara Municipal de Lisboa Ricardo Robles, que se demitiu após o Jornal Económico ter trazido a público que tinha à venda um prédio em Alfama por 5,7 milhões de euros, adquirido por 347 mil euros, em setembro do ano passado a proposta foi recusado pelo PS – depois de contradições públicas sobre um acordo.

No programa para as eleições legislativas de 6 de outubro, o Bloco de Esquerda propõe agora um novo modelo detalhado da taxa penalizadora, aplicado a pessoas singulares residentes, com um englobamento obrigatório do saldo entre as mais-valias e menos- valias. “Se antes este saldo era considerado em 50%, agora: as menos-valias continuam a ser consideradas em 50% em todos os casos; cada mais-valia é dividida em duas componentes: a mais valia correspondente até metade do valor dos encargos com reabilitação é considerada para englobamento apenas em 40% do seu valor; e a restante mais valia é considerada numa percentagem crescente quanto menor for o período de detenção do imóvel”, refere o programa.

O partido coordenado por Catarina Martins propõe, assim, que para um período de detenção do imóvel de um ano seja aplicada uma taxa de 75%; de um a dois anos, de 74%; de dois a três anos de 73%; de três a quatro anos de 72%; continuando a diminuir a uma média de dois pontos percentuais por cada ano até aos sete anos. De sete aos oitos anos, o BE propõe uma taxa de 63%; dos oito anos nove de 60%; dos 9 aos 10 de 57%; dos 10 aos 11 anos de 54%; dos 11 aos 12 anos, de 51% e superior a 12 anos de 50%.

O modelo prevê ainda que para as pessoas singulares não residentes: as mais- valias são separadas e “ao valor da mais-valia até metade do valor dos encargos com reabilitação, comprovadamente realizados nos últimos 12 anos (arranjos ou obras) é aplicada uma taxa autónoma de 28%”, enquanto “ao valor da mais-valia superior a metade do valor dos encargos com reabilitação é aplicada uma taxa autónoma de 33% sobre o valor total da mais valia”.

Para as empresas prevê também “a criação de um adicional que incide sobre o ganho apurado pela diferença entre o valor de venda e o valor de compra, deduzida de despesas inerentes à compra e venda do imóvel e de 1,5 o valor dos encargos com a valorização do imóvel, comprovadamente realizados nos últimos 12 anos”. Assim, a taxa aplicável será maior quanto menor for o período de detenção do imóvel. Por exemplo, até um ano será de 9%; de um a dois anos de 8,5%; de dois a três anos de 8%; de três a quatro anos de 7,5%, mas de 10 a 11 anos já será de 1,5% e de 11 a 12 anos de 0,5%

O Bloco quer ainda que para fundos imobiliários sejam aplicado um adicional criado em IRC. “Se a venda for feita a um preço que reflita um lucro até 50% do valor investido na valorização do imóvel, não há lugar a adicional”, defendem.

Ao Jornal Económico, a deputada do BE Mariana Mortágua explicou, sem setembro do ano passado, que o objetivo era “aplicar uma nova taxa de IRS quando o valor de venda do imóvel é muito superior ao valor da compra e quando a rotatividade é muito grande. Neste caso, aplica-se mais aos fundos de investimento que, por exemplo, num dia compram um quarteirão inteiro por atacado e no outro colocam à venda com uma mais-valia”.

Ler mais
Recomendadas

Reuniões iniciais da Comissão de Transparência vão decorrer à porta fechada

A decisão foi esta sexta-feira anunciada pelo presidente da comissão, Jorge Lacão, alegando que há elementos que vão estar em discussão que não devem ser do conhecimento público. Deputados contestam “opacidade” criada numa “comissão que se diz transparente”.

PSD substitui Adriano Moreira por Rui Rio no Conselho de Estado

PS e PSD vão formalizar esta tarde a lista de candidatos a membros do Conselho de Estado. PSD quer Rui Rio, em vez de Adriano Moreira e o PS mantém nomes indicados na anterior legislatura.

Marcelo já promulgou aumento do salário mínimo para 635 euros

Presidente da República promulgou esta sexta-feira o diploma do Governo que estabelece o salário mínimo nacional em 635 euros no próximo ano. Marcelo Rebelo de Sousa considera que é “uma solução razoável”.
Comentários