Leitores internacionais da Time Out não têm dúvidas: Bairro lisboeta de Arroios é o mais cool do mundo

A freguesia de Arroios, localizada na zona da Avenida Almirante Reis em Lisboa, superou bairros em Berlim, Los Angeles, Nova Iorque, Tóquio ou Madrid.

O bairro de Arroios em Lisboa é o bairro mais ‘cool’ do mundo, segundo os leitores da edição internacional da revista Time Out.

O bairro localizado na zona da Avenida Almirante Reis superou bairros em Berlim, Lons Angeles, Nova Iorque, Tóquio ou Madrid.

A Time Out incluiu toda a zona da freguesia de Arroios na sua escolha, o que inclui os bairros de Arroios, Anjos e Intendente.

“Existem muitas coisas independentes a acontecer, pessoas jovens, artistas e pessoas de todo o mundo. Um bairro que as pessoas costumavam temer é agora o centro dinâmico e intercultural de Lisboa”, segundo a Time Out, que também conta com uma edição portuguesa.

Em destaque surge a Casa Independente no Largo do Intendente, o centro cultural Anjos 70 ou a marisqueiro Ramiro.

 

Os 10 bairros mais cool do mundo para os leitores internacionais da revista Time Out:

1 – Arroios, Lisboa

2 – Shimokitazawa, Tokyo

3 – Onikan, Lagos

4 – Wedding, Berlin

5 – Historic Filipinotown, Los Angeles

6 – The Waterfront, Hobart

7 – Strasbourg-Saint-Denis, Paris

8 – Astoria, Nova Iorque

9 – Embajadores, Madrid

10 – Pilsen, Chicago

Ler mais
Recomendadas

Broa de milho portuguesa entre os 50 melhores pães do mundo para a CNN

No artigo, a broa de milho é descrita como um pão saudável, peneirado, amassado numa calha de madeira e tradicional do norte de Portugal.

Tudo por um ‘like’. Instagramers aproveitam motins nas ruas de Barcelona

Protestos violentos nas ruas catalãs serviam como fonte de inspiração de alguns influencers para obterem mais ‘likes’ nas suas contas do Instagram. Num momento de tensão nas ruas de Barcelona, as publicações foram criticadas por vários catalães.

PróToiro promete “diálogo civilizado e construtivo” com ministra que “sempre hostilizou o setor tauromáquico”

“Exageros do passado” de Graça Fonseca não foram esquecidos pela Federação Portuguesa de Tauromaquia, igualmente apreensiva com o peso que “partidos de matriz proibicionista” irão ter na Assembleia da República.
Comentários