Lesados do BES: “Há centenas de queixas e o Ministério Público não dá seguimento”

Em declarações à Lusa, António Silva, um dos porta-vozes do grupo, garantiu que os lesados avançaram com queixas na justiça contra gerentes do antigo BES, mas não estão a ver resultados.

Hugo Correia/Reuters

Cerca de 40 elementos deste grupo manifestaram-se esta quarta-feira, na Avenida dos Aliados, junto às instalações do Novo Banco, por discordarem das negociações levadas a cabo pela Associação dos Enganados e Indignados do Papel Comercial (AIEPC) e exigirem a devolução da totalidade do dinheiro que perderam em investimentos de risco, em papel comercial do antigo Grupo Espírito Santo (GES) e outros instrumentos do género.

Em declarações à Lusa, António Silva, um dos porta-vozes do grupo, garantiu que os lesados avançaram com queixas na justiça contra gerentes do antigo BES, mas não estão a ver resultados.

Além disso, referiu, entraram com “uma queixa no fundo de estabilidade europeu devido ao desvio das provisões [que foram constituídas para este tipo de caso]”.

“Já fizemos queixas para todas as entidades e continuamos a fazer, porque sempre que obtemos mais documentos acabamos por fazer novas queixas, fundamentadas”, salientou.

O grupo lamenta que as verbas previstas na provisão, constituída em 2013, quando o GES começou a dar sinais de que algo não estava bem, no valor de aproximadamente 1800 milhões de euros, não tenham sido usadas integralmente para pagar aos clientes do retalho.

António Silva disse que o dinheiro foi “desviado” para grandes clientes e outras imparidades e criticou o papel da AIEPC neste processo: “O acordo que assinaram no caso do papel comercial apenas garante 30% e é possível dependendo dos montantes que as pessoas lá puseram”, afirmou.

Ler mais
Recomendadas

Banco de Portugal obriga instituições de crédito menos significativas a considerar o risco dos “clientes ligados entre si”

O conceito de “grupo de clientes ligados entre si” prevê que dois ou mais clientes constituam uma única entidade do ponto de vista do risco.

O que acontece se não conseguir pagar o seguro?

O prémio do seguro deve ser pago na data em que o contrato foi celebrado. Os riscos não ficam cobertos enquanto não for pago o prémio, além de outras consequências.

KKR ganha concurso para a compra da carteira de 1,75 mil milhões de malparado do Novo Banco

O Novo Banco escolheu o fundo KKR que se apresentou a concurso com a Hipoges e com LX Partners, segundo apurou o Jornal Económico. O preço foi decisivo na escolha. A LX Partners vai ficar com os crédito ‘unsecured’ (sem garantias), tipo crédito ao consumo.
Comentários