Líbano regista nova queda recorde da moeda nacional

A taxa oficial, registada desde há mais de duas décadas permanece fixada em 1.507 libras por um dólar.

A libra libanesa registou esta segunda-feira uma nova queda histórica no mercado negro, ao atingir as 15.500 libras por um dólar e prosseguindo a sua desvalorização, num contexto de profunda crise económica agravada pela inércia dos dirigentes políticos.

Desde o início da crise no outono de 2019 – uma das piores no mundo desde 1850 segundo o Banco mundial – a libra libanesa perdeu 90% do seu valor no mercado negro face à nota verde.

A taxa oficial, registada desde há mais de duas décadas permanece fixada em 1.507 libras por um dólar.

Após ter oscilado durante semanas entre 12.000 e 13.000 libras por um dólar, a moeda local registou um novo recuo nos últimos dias, com o dólar a valer mais de 15.000 libras este fim de semana.

Este novo colapso da moeda nacional, inédito na história do país do Médio Oriente pela sua amplitude, arrisca-se a agravar a taxa de inflação já situada nos três dígitos.

No final de 2020, a inflação ultrapassava os 140% e o preço dos produtos alimentares multiplicou-se por cinco desde o início da crise, segundo os números oficiais.

O país também regista uma grave escassez de combustíveis e medicamentos, forçando a maioria das estações de serviço e das farmácias — que na sexta-feira anunciaram uma greve de dois dias — ao encerramento.

O país permanece sem governos há dez meses, devido às persistentes divergências entre os partidos no poder, acusados pela população de estarem a arruinar o país.

Para além do colapso monetário e da crise, o Líbano regista um aumento exponencial do desemprego e uma pauperização em larga escala.

Segundo a ONU, mais de metade da população vive no limiar da pobreza, enquanto os bancos continuam a impor restrições draconianas aos depositantes.

Recomendadas

Wall Street encerra ‘mista’ penalizada com números do emprego nos EUA

As empresas privadas nos Estados Unidos criaram 330 mil novos empregos, números que ficam aquém das expectativas dos analistas que, após reverem a previsão em baixa, apontavam para os 680 mil novos postos de trabalho. S&P 500 e Dow Jones fecham o dia no ‘vermelho’, enquanto o tecnológico Nasdaq encerra em terreno positivo.

PSI-20 contraria ganhos na Europa e fecha a perder 0,23%

O PSI 20 destoou da tendência europeia, onde os principais índices avançaram depois de dados animadores relativamente à recuperação económica europeia e colocaram o pan-europeu STOXX 600 em máximos históricos pelo terceiro dia consecutivo.

Levantamento de restrições e valorização da libra indicam recuperação do turismo britânico em Portugal

A fintech Ebury, especializada em pagamentos internacionais, diz que, tendo em conta a preferência dos portugueses por destinos de praia, os destinos mais vantajosos em termos cambiais são o Dubai (Emirados Árabes Unidos), as Caraíbas e Zanzibar, na Tanzânia.
Comentários