Liberty assinou protocolo com Associação Portuguesa de Proprietários

A parceria entre a Liberty Seguros e a APPROP surge no contexto desafiante da evolução do mercado e das alterações à lei do arrendamento, que, por exemplo, obriga os proprietários de estabelecimentos de alojamento local a celebrarem contratos de seguro multirrisco de responsabilidade civil.

A Liberty Seguros assinou um protocolo com a Associação Portuguesa de Proprietários (APPROP), que “visa o alargamento da oferta de benefícios para os associados”, diz a associação em comunicado.

A parceria entre a Liberty Seguros e a APPROP surge no contexto desafiante da evolução do mercado e das alterações à lei do arrendamento, que, por exemplo, obriga os proprietários de estabelecimentos de alojamento local a celebrarem contratos de seguro multirrisco de responsabilidade civil.

Através deste acordo, os proprietários de imóveis que sejam associados da associação passam a ter acesso a condições vantajosas nos seguros de Lar, Vida, Acidentes Pessoais e Saúde.

Rogério Bicho, Country Manager da Liberty Seguros em Portugal, destaca: “A Liberty Seguros está atenta à evolução do mercado e celebra este protocolo no sentido de ajudar a responder às necessidades crescentes dos proprietários. No âmbito desta parceria, toda a gestão de sinistros ficará a cargo da nossa seguradora, que disponibilizará aos contractuantes todos os seus canais de atendimento e assistência.”

Por seu lado, João Caiado Guerreiro, Presidente da APPROP, refere sobre parceria com a Liberty Seguros, que  “deseja uma mútua e frutífera colaboração. Com a assinatura deste protocolo proporcionamos aos nossos membros e associados o melhor serviço de seguros quanto aos seus imóveis, traduzido num maior sentimento de segurança. Juntamente com a Liberty Seguros iremos zelar pela segurança dos proprietários portugueses.”

Em oito meses de atividade, a APPROP já conta com 4.510 associados.

Ler mais
Recomendadas

Possibilidade de moratórias de crédito serem prorrogadas é muito escassa, diz APB

Faria de Oliveira disse ainda que as moratórias não “são o fim da linha” e que as informações que lhe chegam dos bancos é de um “impacto muito reduzido” desde que terminaram as primeiras moratórias, o que aconteceu em 31 de março, com cerca de 86 mil famílias a retomarem o pagamento dos seus créditos à habitação este mês de abril.

Novo Banco: valor dos juros gerados pelos ativos do CCA pode compensar parte das injeções do FdR

Os deputados têm levantado a questão de os juros associados aos ativos do mecanismo de capital contingente, quando não são recebidos acrescerem às perdas, mas quando são recebidos não abaterem às perdas. A audição desta terça-feira foi a João Gomes Ferreira, partner da Deloitte, que fez a auditoria especial ao Novo Banco.

Banca apertou critérios de concessão de crédito a empresas e ao consumo no primeiro trimestre

Os critérios de concessão de crédito foram ligeiramente mais restritivos no crédito a empresas, designadamente a PME, e no crédito ao consumo e outros fins. Tendo ficado praticamente inalterados no crédito à habitação. As razões prendem-se com a maior perceção de riscos associados à situação e perspetivas de sectores ou empresas específicos e, em menor grau, de riscos associados à situação e perspetivas económicas e às garantias exigidas.
Comentários