Liberty assinou protocolo com Associação Portuguesa de Proprietários

A parceria entre a Liberty Seguros e a APPROP surge no contexto desafiante da evolução do mercado e das alterações à lei do arrendamento, que, por exemplo, obriga os proprietários de estabelecimentos de alojamento local a celebrarem contratos de seguro multirrisco de responsabilidade civil.

A Liberty Seguros assinou um protocolo com a Associação Portuguesa de Proprietários (APPROP), que “visa o alargamento da oferta de benefícios para os associados”, diz a associação em comunicado.

A parceria entre a Liberty Seguros e a APPROP surge no contexto desafiante da evolução do mercado e das alterações à lei do arrendamento, que, por exemplo, obriga os proprietários de estabelecimentos de alojamento local a celebrarem contratos de seguro multirrisco de responsabilidade civil.

Através deste acordo, os proprietários de imóveis que sejam associados da associação passam a ter acesso a condições vantajosas nos seguros de Lar, Vida, Acidentes Pessoais e Saúde.

Rogério Bicho, Country Manager da Liberty Seguros em Portugal, destaca: “A Liberty Seguros está atenta à evolução do mercado e celebra este protocolo no sentido de ajudar a responder às necessidades crescentes dos proprietários. No âmbito desta parceria, toda a gestão de sinistros ficará a cargo da nossa seguradora, que disponibilizará aos contractuantes todos os seus canais de atendimento e assistência.”

Por seu lado, João Caiado Guerreiro, Presidente da APPROP, refere sobre parceria com a Liberty Seguros, que  “deseja uma mútua e frutífera colaboração. Com a assinatura deste protocolo proporcionamos aos nossos membros e associados o melhor serviço de seguros quanto aos seus imóveis, traduzido num maior sentimento de segurança. Juntamente com a Liberty Seguros iremos zelar pela segurança dos proprietários portugueses.”

Em oito meses de atividade, a APPROP já conta com 4.510 associados.

Ler mais
Recomendadas

BCP quer preservar capital e crescer organicamente mas estudará aquisições

“O que me preocupa é a rentabilidade do sistema financeiro português e os custos de contexto, porque numa eventualidade de a banca precisar de capital, com rentabilidades muito baixas é muito mais difícil obter capital no mercado”, referiu o presidente do BCP.

BCP deu 125 mil moratórias num montante total de 8,9 mil milhões

Pelo banco foram concedidas 101.114 mil operações a particulares no valor de 4,2 mil milhões de euros. Deste montante, 91% diz respeito a crédito à habitação. Em relação às empresas, o banco deu 23.909 mil moratórias no valor de 4,7 mil milhões de euros, do qual 88% corresponde a crédito performing.
Miguel Maya

BCP regista menos valias com vendas de imóveis de 3 milhões nos nove meses

O banco vendeu nos nove meses 1.500 imóveis, dos quais 500 no trimestre. O BCP encaixou 172 milhões de euros em imóveis, com menos valia de 3 milhões face ao valor líquido de imparidades.
Comentários