Libra em alta depois de Barnier afirmar que um acordo para o Brexit é possível esta semana

Londres e Bruxelas continuam a negociar a saída do Reino Unido da União Europeia a poucos dias da reunião do Conselho Europeu de 17 e 18 de outubro em Bruxelas, que tem sido encarada como a última oportunidade para evitar uma saída britânica sem acordo. Os mercados, sobretudo o segmento cambial, têm sido voláteis no que respeita ao Brexit

Principal negociador da União Europeia para o Brexit, Michel Barnier | União Europeia

A libra está a valorizar depois dos comentários do principal negociador da União Europeia (UE) para o Brexit, Michel  Barnier, ao indicar que um acordo para o Brexit ainda é possível até sexta-feira. A divisa britânica aprecia 0,45% face ao dólar, para 1,26 dólares, enquanto o euro deprecia 0,47% face à libra, para 0,87 libras.

“Tem sido um trabalho intenso desde o fim de semana, porque embora seja cada vez mais difícil – mais e mais difícil, para ser franco –  ainda é possível chegar a um acordo esta semana”, disse Michel Barnier antes de mais uma reunião de ministros da UE em Luxemburgo, onde o ministro britânico para o Brexit, Stephen Barclay, também participará.

Michel Barnier afirmou ainda que a sua equipa está a “trabalhar no duro para que surja um acordo, “obviamente um acordo que deva funcionar para todos, Reino Unido e UE”.

As negociações técnicas para que Londres e Bruxelas cheguem a um entendimento continuam, com a equipa liderada por Barnier a argumentar que “é hora de transformar boas intenções num acordo” antes do final da semana.

Segundo um comunicado da Comissão Europeia, em 13 de outubro, Michel Barnier, francês de 68 anos de idade, fez saber que “se o Governo britânico quer uma solução, deve agir rapidamente”. “O tempo está passar”, acrescentou.

Embora ambos os lados da mesa estejam numa posição complexa, “especialmente porque faltam apenas alguns dias para a cimeira europeia”, Michel Barnier descreveu as negociações que decorreram durante o fim de semana, dias 12 e 13 de outubro,  como “construtivas”.

Estas negociações estão a decorrer a poucos dias da reunião do Conselho Europeu de 17 e 18 de outubro em Bruxelas, que tem sido encarada como a última oportunidade para evitar uma saída britânica da UE sem acordo, com pesadas consequências, ou para abordar um possível terceiro adiamento do processo.

No início de outubro, o Reino Unido apresentou uma proposta alternativa para o Brexit.

Um dos pontos problemáticos da proposta britânica, segundo o principal negociador da UE, assenta na ausência de “certezas jurídicas” relativamente ao mecanismo de salvaguarda e no papel reservado à Irlanda do Norte, cujas autoridades autónomas teriam o poder de autorizar (ou revogar) o alinhamento com as regras do mercado comum naquele território todos os quatro anos.

Inicialmente agendada para 29 de março, a saída do Reino Unido foi adiada para 31 de outubro, uma data que o primeiro-ministro britânico, Boris Johnson, assegura que irá respeitar, haja ou não acordo entre os 27 e Londres.

A legislação em vigor estipula que o primeiro-ministro britânico é obrigado a pedir uma extensão do processo do Brexit por mais três meses, até 31 de janeiro, se não for alcançado um acordo até 19 de outubro nem autorizada uma saída sem acordo.

Em 9 de outubro, o presidente do Parlamento Europeu, o italiano David Sassoli, disse que o Parlamento Europeu apoiaria um eventual adiamento do Brexit para permitir eleições ou um novo referendo.

Ler mais

Recomendadas

Partido do Brexit recua para favorecer conservadores nas eleições

Nigel Farage não vai apresentar candidatos às legislativas britânicas de 12 de dezembro em quase metade dos círculos. “O que vamos fazer é concentrar os nossos esforços”, afirma.

Startups brasileiras apostam na transformação de lixo e combate ao desperdício de água

A transformação de lixo e materiais em biocombustível e o combate ao desperdício de água e foram algumas das soluções apresentadas pela BNPetro e Piipee, que marcaram presença na cimeira tecnológica Web Summit, que se realizou na semana passada, em Lisboa.

Web Summit: participantes gastaram 64 milhões de euros nos quatro dias do evento, estima AHRESP

Foram registados “cerca de 64,4 milhões de euros de gastos dos visitantes nos quatro dias do evento”, apurou a Associação de Hotelaria, Restauração e Similares de Portugal (AHRESP) no seu estudo sobre a estimativa do impacto da Web Summit ao nível dos gastos dos visitantes, da procura e do impacto nas atividades do alojamento turístico.
Comentários