Líder da Coreia do Norte reconhece que país enfrenta “situação de tensão alimentar”

“A situação alimentar está agora tensa, uma vez que o setor agrícola não conseguiu cumprir o objetivo de produção de cereais devido aos danos causados pelos tufões no ano passado”, disse Kim Jong-un.

O líder norte-coreano, Kim Jong-un, reconheceu que o país está a enfrentar uma “situação de tensão alimentar”, informaram hoje os meios de comunicação oficiais.

O país, cuja economia é alvo de múltiplas sanções internacionais impostas em resposta aos programas nucleares e de mísseis, há muito que é atingido por graves carências alimentares.

No ano passado, a pandemia da covid-19, bem como tufões e inundações, afetaram significativamente a economia.

Numa reunião plenária do Comité Central do Partido dos Trabalhadores, no poder, o governante afirmou que a situação económica tinha melhorado, com a produção industrial a subir 2% em relação ao ano anterior, informou a agência de notíciais oficial norte-coreana KCNA.

O líder reconheceu, contudo, que tinha encontrado uma “série de dificuldades” devido a “muitos desafios” pela frente.

“A situação alimentar está agora tensa, uma vez que o setor agrícola não conseguiu cumprir o objetivo de produção de cereais devido aos danos causados pelos tufões no ano passado”, disse Kim.

No verão de 2020, milhares de casas e terras agrícolas foram destruídas por tufões acompanhados por inundações.

Kim pediu medidas para minimizar o impacto destas catástrofes naturais, dizendo que assegurar “boas colheitas” era uma “prioridade máxima”.

Na reunião, foi discutida a “situação duradoura” da pandemia, de acordo com a KCNA.

A Coreia do Norte foi um dos primeiros países a impor restrições sanitárias rigorosas, incluindo a decisão de fechar as fronteiras com a vizinha China, para impedir a propagação do novo coronavírus.

O regime tem defendido que não foi atingido pela pandemia, algo que muitos especialistas duvidam.

O comércio com Pequim, o principal apoiante económico e diplomático do regime, foi significativamente reduzido.

O isolamento teve um custo económico elevado, ao ponto de Kim ter reconhecido em abril as dificuldades enfrentadas pelo país e apelado aos responsáveis norte-coreanos para “liderarem com uma nova e ainda mais dura ‘Marcha Forçada’ para ajudar o povo face às dificuldades”.

A “Marcha Forçada” é o termo utilizado na Coreia do Norte para a fome dos anos 90 que resultou em centenas de milhares de mortos, na sequência da redução da ajuda de Moscovo após o colapso da União Soviética.

É “muito provável” que a pandemia tenha “agravado” a situação humanitária no país, onde 10,6 milhões de pessoas precisam de ajuda, de acordo uma estimativa do Gabinete de Coordenação dos Assuntos Humanitários da ONU.

Recomendadas

Contactos entre Nações Unidas e Maputo estão a decorrer, diz Santos Silva

O chefe da diplomacia portuguesa confirmou hoje, sexta-feira, que estão a decorrer contactos entre o Escritório das Nações Unidas Contra o Terrorismo e as autoridades de Maputo sobre a situação em Cabo Delgado, no norte de Moçambique.

Primeiro-ministro israelita e príncipe herdeiro dos Emirados marcam encontro

Naftali Bennett falou com Mohammed Bin Zayed al Nahyan e os líderes concordam num encontro no futuro – no que pode ser mais um importante acontecimento no âmbito da normalização das relações entre o Estado hebraico e o mundo islâmico. Marrocos vem a seguir.

CPLP: Acordo de Mobilidade vai ao Parlamento “nas primeiras semanas de setembro”

O novo Acordo de Mobilidade assinado no passado fim-de-semana na cimeira da CPLP em Luanda vai ser apresentado para ratificação por parte de Portugal o mais brevemente possível, disse o ministro dos Negócios Estrangeiros.
Comentários