Líder da CSU quer ser candidato da coligação CSU/CDU nas eleições legislativas e suceder a Angela Merkel na Alemanha

O líder da CSU, Markus Söder, declarou este domingo que disputará a corrida com o líder do partido conservador CDU, Armin Laschet, para se apresentar como candidato da coligação de poder às eleições legislativas de setembro.

Da Esquerda para a Direita: Armin Laschet, presidente do partido da União Democrática Cristã (CDU); o presidente da bancada da CDU) e da União Social Cristã (CSU) no parlamento alemão, Ralph Brinkhaus, presidente do grupo regional da CSU no parlamento alemão; Alexander Dobrindt e o presidente do Estado da Baviera e da CSU, Markus Soeder | Foto: EPA/CLEMENS BILAN / POOL

“Se a CDU estiver pronta para me apoiar, eu estarei pronto. Se a CDU não quiser, o trabalho conjunto continuará, sem ressentimentos”, disse o político bávaro, numa reunião à porta fechada com líderes parlamentares da coligação de poder na Alemanha, que junta a União Democrata-Cristã (CDU) e a União Social-Cristã (CSU).

Laschet já tinha apresentado a sua candidatura a sucessor de Angela Merkel (CDU) no Governo, e, embora os democratas-cristãos tenham prometido resolver esta questão até final de maio, a corrida a candidato da coligação ao posto de chanceler alemão pode agora ser acelerada.

“Todos temos interesse numa decisão rápida”, tinha dito o líder do grupo parlamentar da coligação CDU/CSU, Ralph Brinkhaus, pouco antes do início da reunião estratégica que hoje decorre em Berlim.

Ao seu lado, o vice-presidente do grupo parlamentar, Alexander Dobrindt, disse esperar que os partidos decidam esta questão “dentro de duas semanas”, alegando que o clima político na CDU não é compatível com uma prolongada indecisão.

O objetivo da coligação conservadora é acelerar o processo de escolha política, considerando que o fim de mandato de Angela Merkel, após 16 anos no poder, está a criar instabilidade e que uma longa incerteza sobre o futuro do partido pode prejudicar as aspirações a uma vitória nas eleições legislativas, marcadas para 26 de setembro.

Por outro lado, para além da gestão errática da pandemia de covid-19 e dos maus resultados em duas eleições regionais, a coligação conservadora tem sido atingida por escândalos que estão a provocar dano na imagem do Governo.

As recentes sondagens indicam que a coligação CDU/CSU apenas consegue entre 26% e 28,5% das intenções de voto, quase 10 pontos abaixo das indicações de fevereiro, permitindo a aproximação dos Verdes, que já sonham em conseguir uma vitória eleitoral.

A reunião que hoje decorre é uma “espécie de exame de candidaturas”, na expressão usada num artigo do jornal diário Suddeutsche Zeitung, que acrescenta que o encontro servirá para os dois candidatos apresentarem a sua visão para o futuro da Alemanha.

Markus Söder, de 50 anos, que dirige a CSU, tem as sondagens a seu favor, quando comparado com Armin Laschet, de 60 anos, mas, tradicionalmente, cabe à CDU apresentar o candidato da coligação, sendo o partido social-cristão um movimento regional da Baviera.

Armin Laschet, que apenas recentemente foi eleito para a liderança da CDU, também sofreu vários contratempos, tendo sido muito criticado pela forma como se tem posicionado perante a estratégia de combate contra a pandemia.

O líder regional da Renânia defendeu uma estratégia mais moderada de luta contra o novo coronavírus, ao ponto de ter entrado em conflito com a liderança de Angela Merkel.

Embora Laschet seja considerado o herdeiro natural de Angela Merkel, na verdade tem tido dificuldade em conseguir conciliar a necessidade do partido de harmonizar os sentimentos de continuidade e de renovação.

Numa entrevista ao jornal Bild, hoje publicada, Laschet tentou revelar ser capaz desse equilíbrio, lembrando que, por um lado, esteve ao lado de Merkel em questões políticas essenciais, como a da receção aos refugiados, mas, por outro lado, defendeu a inauguração de uma “nova era”, promovendo a transição digital e o combate à burocracia.

“Um candidato CDU-CSU não terá sucesso sem o apoio de Angela Merkel”, defende Markus Söder, tentando tirar proveito de divergências internas entre os democratas-cristãos, cujo partido parece com pressa em esclarecer a escolha para as eleições legislativas.

Ler mais
Recomendadas

Marcelo Rebelo de Sousa deseja contactos institucionais na Guiné-Bissau num clima “o mais plural possível”

“É como o pluralismo na Assembleia [Nacional Popular da Guiné-Bissau], onde eu vou ter oportunidade de encontrar representantes de várias formações de opinião política e de expressão política da vida guineense”, salientou, declarando que “Portugal quer verdadeiramente abraçar todos os guineenses”.

Índia ultrapassa 25 milhões de casos e regista novo recorde de mortes

A braços com uma segunda vaga com um impacto sem precedentes no sistema de saúde, com falta de oxigénio e de camas, a Índia registou um declínio gradual do número de casos nos últimos dias, após ter atingido mais de 400 mil contágios, há duas semanas.

PIB do Japão contrai 1,9% no primeiro trimestre

A contração do primeiro trimestre de 2021 deve-se principalmente ao declínio anual de 3,3% do consumo doméstico, o principal pilar do PIB japonês.
Comentários