Líder do CDS-PP pede demissão da ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social

Francisco Rodrigues Dos Santos considerou também que Portugal tem “uma ministra da Insensibilidade Social” e lembrou que “40% das mortes por Covid em Portugal ocorreram em lares”.

O líder dos CDS-PP pediu este sábado a demissão da ministra do Trabalho, Solidariedade e Segurança Social na sequência da entrevista de Ana Mendes Godinho ao semanário “Expresso”, na qual desvaloriza os surtos nos lares em Portugal.

“A Reação da Ministra da Solidariedade Social à morte de 18 idosos em Reguengos de Monsaraz é dizer que não leu o relatório da Ordem dos Médicos e desvalorizar o impacto da pandemia nos lares”, apontou Francisco Rodrigues Dos Santos . “Classifiquei aquela aviltante tragédia como um crime humanitário e um doloroso exemplo da decadência moral do Estado. Hoje a Ministra ilustrou-os bem com as suas declarações”, recordou o líder dos centristas, através de uma publicação no Facebook.

Francisco Rodrigues dos Santos, que considerou que Portugal tem “uma ministra da Insensibilidade Social” lembrou que cerca de 40% das mortes por Covid no país ocorreram em lares. “A ministra não só faz vista grossa das estatísticas, como prova que não aprendeu nada com gestão da pandemia. Nos lares, continua a faltar o básico, que o CDS exigiu ao Governo há cinco meses atrás: planos de contingência, com regras claras, procedimentos de atuação definidos, e fiscalização por parte da tutela”, escreveu.

“Continuam surtos ativos em 73 lares, que totalizam 545 idosos infetados. Sobre a estratégia da ministra para os proteger os idosos, cuidando dos que estão doentes e impedindo novos focos no futuro, não se ouviu uma palavra. Uma semana depois, não há uma explicação, uma resposta, um estratégia, um plano, um pedido de desculpas”, frisou o líder do CDS-PP no seus post na rede social.

O líder dos centristas realçou também que os comentários de Ana Mendes Godinho “além de exporem a sua total inabilidade para o cargo e espelharem uma negligência arrepiante, as suas afirmações parecem retiradas de um filme de terror”.

Em entrevista ao jornal “Expresso”, Ana Mendes Godinho defendeu que não faz sentido falar de casos concretos de surtos da Covid-19 em lares e sobre a situação ocorrida em Reguengos de Monsaraz, onde morreram 18 pessoas. “No caso de Reguengos, a grande dificuldade foi encontrar funcionários quando muitos ficaram doentes”, destacou a governante.

Ler mais
Relacionadas

Dimensão dos surtos em lares “não é demasiado grande”, aponta ministra da Segurança Social

Segundo números avançados por Ana Mendes Godinho, foram aprovadas até agora 5.800 pessoas para instituições do setor social, sendo que o objetivo é colocar cerca de 15 mil até ao final do ano.
Recomendadas
Ana Gomes e RIcardo Araújo Pereira

Ana Gomes: “Afetos do professor Marcelo foram úteis para desanuviar do estilo múmia paralítica”

Candidata presidencial foi a primeira convidada de Ricardo Araújo Pereira no regresso do programa “Isto é Gozar com quem Trabalha”. Mais interessada em atacar “quem se aproveita dos clubes de futebol para lavar dinheiro” do que António Costa, Ana Gomes revelou que só deixa o espaço de comentário da SIC Notícias após formalizar a candidatura.

Marques Mendes: “Estamos no fim de um ciclo político”

António Costa corre o risco de não acabar o mandato se não voltar a centrar-se no que é o mais importante. As duas remodelações da semana correram mal ao primeiro-ministro.

André Ventura elege lista para a direção nacional à terceira tentativa e critica “jogos de bastidores”

“Desaparecimento” de opositores após o líder do partido ter indicado estar disposto a demitir-se caso persistisse o impasse permitiu que a sua equipa fosse aprovada por mais de dois terços dos congressistas. “Pensavam que seríamos um partido como os outros, em que com jogadas dos bastidores se define o poder interno”, disse Ventura depois da votação final.
Comentários