Liderança da SIC é “momento certo” para oferta, diz CEO da Impresa

Francisco Pedro Balsemão realça ao Jornal Económico que o objetivo desta operação passa por alcançar melhoria dos resultados operacionais nos próximos três anos.

A SIC lançou uma oferta pública de subscrição (OPS) de obrigações para o retalho com o objetivo de captar 51 milhões de euros (valor inicial era de 30 milhões de euros). Em declarações ao Jornal Económico (JE), Francisco Pedro Balsemão, CEO da Impresa, realçou que o grupo de comunicação social considerou ser este o “valor adequado” tendo em conta as metas. “Os objetivos desta operação passam por reforçar a estrutura financeira da Impresa, permitindo-nos procurar alcançar uma melhoria dos nossos resultados operacionais nos próximos três anos”, sublinhou o administrador.

No entender de Francisco Pedro Balsemão, o timing desta OPS teve em conta “uma avaliação ao contexto político-económico e o mercado de capitais”, o “ciclo positivo pelo qual a SIC atravessa” marcou “o momento certo para lançar uma oferta ao retalho”. Note-se que a SIC ganhou a liderança nas audiências ao fim de 12 anos a perder para a concorrência). Questionado sobre a possibilidade de se terem equacionado outras fontes de financiamento, o CEO da Impresa realçou ao JE que a operação agora lançada “insere-se no âmbito do nosso plano estratégico para o triénio 2017-2019, sendo um dos seus eixos a gestão rigorosa da nossa estrutura financeira, pelo que a Impresa está sempre atenta a oportunidades para cumprir com esta política”.

Caso a SIC consiga atingir este montante, a Impresa já tem destino definido para os 30 milhões de euros [entretanto a emissão de dívida aumentou para até 51 milhões de euros]. Francisco Pedro Balsemão sublinha que “o objetivo da operação” passa por “diversificar as fontes de financiamento do grupo e alargar a maturidade da dívida” pelo que “o empréstimo visa substituir dívida de curto prazo por dívida a médio e longo prazo”. No que concerne à eventualidade de revisão em alta deste valor, o administrador remete essa avaliação para o final deste mês, mais concretamente para 28 de junho, pelo que “o número de obrigações e, consequentemente, o seu valor global, poderá ser aumentado”.

Cristina “personifica sucesso da SIC”

Cristina Ferreira, que se transferiu da TVI para a SIC em 2018, marcou uma reviravolta nas audiências e é também à apresentadora que se devem alguns dos bons resultados que a SIC, nomeadamente a recuperação da liderança entre os canais vistos do país. Sob o mote “Assista ao sucesso na SIC”, o grupo liderado por Francisco Pedro Balsemão escolheu a apresentadora (e outros três rostos emblemáticos da estação agora sediada em Paço d’Arcos) para convencer os investidores.

Francisco Pedro Balsemão enfatiza que Cristina Ferreira assim como Júlia Pinheiro, Diana Chaves e Ricardo Pereira “personificam o sucesso da SIC” e que “representam centenas de profissionais que, juntos, têm contribuído para alcançarmos resultados positivos nos últimos tempos”.

Taxa de remuneração de 4,5%

A estação de Carnaxide entrou desta forma no mercado para atrair investidores particulares para se financiar numa emissão de obrigações até 2022. Segundo o prospeto da OPS, a taxa de juro da remuneração bruta da emissão de obrigações da SIC é 4,5%, contando que os juros serão pagos a cada seis meses e com reembolsos a 10 de janeiro e a 10 de julho de cada ano. A taxa de juro líquida de impostos é de 3,26002%. O investimento mínimo previsto é de 1.500 euros e os investidores terão de comprar um mínimo de 50 obrigações, As ordens podem ser revogadas até 2 de julho.

Artigo publicado na edição nº 1993, de 14 de junho do Jornal Económico

Ler mais

Recomendadas

Contribuintes podem comunicar agregado familiar e atualizar dados até dia 21

Em informação enviada à Lusa, o Ministério das Finanças explicou que “o prazo legalmente previsto termina no dia 15 [sábado]. No entanto, os dados que forem comunicados por essa via até ao final do próximo dia 21 de fevereiro ainda serão considerados pela AT”.

Prazo para declarar vencimento de trabalhadores domésticos termina hoje

Aqui incluem-se os de empregadas domésticas ou rendimentos empresariais e profissionais de contribuintes abrangidos pelo regime fiscal dos ex-residentes.

Deco critica Banco de Portugal e pede intervenção política sobre comissões na MB Way

Pedido aos partidos com assento parlamentar deve-se à “inoperância” do supervisor bancário face às mais de 33 mil reclamações que a Associação Portuguesa para a Defesa do Consumidor recebeu.
Comentários