Ligações familiares no Governo: terceira polémica de ex-secretário de Estado do Ambiente deu demissão

Esta já é a terceira polémica em que o governante Carlos Martins se vê envolvido. Depois da não entrega de declarações, de receber subsídios indevidos, o político demitiu-se por causa das ligações familiares no Governo.

Cristina Bernardo

O secretário de Estado do Ambiente, Carlos Martins, apresentou esta quinta-feira a demissão depois de se revelar que nomeou o seu próprio primo para o mesmo Ministério. Armindo Alves apresentou a sua demissão na quarta-feira, 3 de abril, após a comunicação social descobrir que assumiu funções de secretário adjunto por ser primo de Carlos Martins.

Armindo Alves foi a primeira queda na teia de familiares no Governo, e o agora ex-secretário de Estado é a segunda baixa em dois dias. Ainda assim, esta não é a primeira vez que Carlos Martins se vê envolvido em polémicas governamentais.

Em junho de 2016, o ex-secretário de Estado do Ambiente foi acusado de se apropriar, indevidamente, de um subsídio de alojamento. O caso remonta ao ano anterior, 2015, quando Carlos Martins foi eleito presidente da Águas do Algarve e adquiriu um apartamento em Tavira. A morada na região algarvia levantou problemas quando o ex-secretário de Estado a apresentou para efeitos de atribuição do subsídio, em novembro de 2015, quando tomou posse do cargo que ocupava até esta quinta-feira.

A verba tinha sido estabelecida por António Costa, a 1 de março de 2015, como apoio para todos os governantes que apresentassem residência permanente a mais de 150 quilómetros de Lisboa. A polémica instalou-se porque o governante já não residia em Tavira, mas sim em Murches, no concelho de Cascais.

Quando assumiu o cargo político, Carlos Martins forneceu a morada de Tavira ao Tribunal Constitucional, na sua declaração de rendimentos. De acordo com o Ministério do Ambiente e da Transição Energética, a morada no Algarve também estava inscrita nos documentos pessoais, como cartão de cidadão e carta de condução. Desta forma, Carlos Martins reunia os requisitos para receber o subsídio de alojamento, que ronda os 25 euros por dia.

Quando a notícia se espalhou, o político explicou ao jornal ‘Diário de Notícias’ que o contrato de compra e venda e o mútuo com hipoteca, que foi celebrado com a Caixa Geral de Depósitos para comprar a casa no Algarve dizia que “se trata da compra para habitação própria e permanente”. Caso se verificasse o contrário, o governante iria incorrer em “incumprimento contratual” e seria obrigado a devolver o valor do empréstimo. Os 360 euros, que Carlos Martins mais tarde viria a abdicar, serviam para fazer face “aos compromissos e encargos da sua residência própria permanente”, embora tenha admitido que “não iria prescindir do mesmo” como veio a fazer.

Mais tarde, além de abdicar dos 360 euros, o político devolveu o dinheiro da verba de alojamento, que deveria rondar os dois mil euros.

O mesmo subsídio foi aplicado, em 2015, a quatro secretários de Estado, onde se inseriam Fernando Araújo, secretário de Estado adjunto da Saúde, Célia Ramos, secretária de Estado do Ordenamento do Território e da Conservação da Natureza, José Mendes, secretário de Estado adjunto do Ambiente, Carlos Martins mas também ao ministro do Ambiente e da Transição Energética, João Matos Fernandes.

Ainda assim, esta não é a última polémica do governante. O ‘Diário de Notícias’ revelou que Carlos Martins não entregou a declaração de rendimentos a que estava legalmente obrigado enquanto desempenhou vários cargos em empresas públicas.

Segundo o jornal, faltam notificações de início e fim de funções. Na declaração de 2007, apenas consta que iria dar início às funções de gestor público, sem referir o local de desempenhos das funções. Também em setembro de 2007, entregou uma declaração em que cessou funções nos Serviços Municipalizados de Água e Saneamento de Loures, sem indicar a data de início.

Já a 30 de junho de 2015, entregou uma declaração em que encerrava as funções como presidente (não executivo) do conselho de Administração na SANEST, SIMTEJO, Águas do Oeste e Águas do Zêzere e Coa, além da cessação de funções nas Águas do Algarve. Nestas declarações faltava indicar quando iniciou o trabalho e a declaração de início das mesmas funções.

Ler mais
Relacionadas

Familiares no Governo: Secretário de Estado do Ambiente pediu demissão por nomeação de primo

Carlos Martins tinha nomeado um primo seu para adjunto no seu gabinete. O ministro do Ambiente disse desconhecer esta relação familiar. A demissão já foi aceite pelo ministro do Ambiente e pelo Primeiro-Ministro.

Relações familiares no Governo de António Costa envolvem 50 pessoas e 20 famílias

Uma contagem anterior apontava que existiam 27 pessoas e 12 famílias no poder, mas nos últimos dias vieram a público mais nomes, catapultando o número para 50 pessoas e 20 famílias, mais um ex-casal.

Negrão questiona Costa: “O Governo não consegue nomear pessoas qualificadas sem serem familiares?”

O líder da bancada parlamentar do PSD questionou insistentemente o primeiro-ministro sobre a profusão de relações familiares no Governo, sobretudo nos gabinetes ministeriais. António Costa admitiu a existência de “uma dúzia de casos” nos gabinetes e pediu “critérios claros”.
Recomendadas

PCP identifica seis cadeias de dependência externa que implicam “colonização económica e política”

Turismo, grande distribuição e a aposta no lítio e no hidrogénio não foram esquecidos na análise (muito crítica) que os comunistas fazem à economia portuguesa nas Teses que servirão de base ao XXI Congresso, que decorrerá entre 27 e 29 de novembro.

Hamas e Fatah chegam a acordo para a realização de eleições daqui a seis meses

Depois de 15 anos sem atos eleitorais, na sequência dos confrontos que resultaram da tentativa de coligação em 2006, as duas principais fações palestinianas procuram dar sinais de união numa altura em que o restante mundo árabe parece aberto à normalização dos laços com Israel.

Presidenciais: Paulo Pedroso na “estrutura organizativa” da candidatura de Ana Gomes

O ex-ministro do Trabalho Paulo Pedroso vai integrar a “estrutura organizativa” da candidatura de Ana Gomes a Presidente da República, confirmou hoje a própria numa declaração à agência Lusa.
Comentários